Oração substantiva relativa livre com função de vocativo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Oração substantiva relativa livre com função de vocativo

Supondo que o diretor da escola entre na sala para conversar com os alunos e daí, por estar muito barulho, o professor em tom pseudoirônico diz: «Quem estiver me ouvindo, por favor, silêncio, o diretor quer falar.» Poderia dizer que a oração «Quem estiver me ouvindo» exerce função sintática de vocativo? Pergunto isso, pois poderia substituir «Quem estiver me ouvindo» satisfatoriamente por «Alunos»; exemplo: «Alunos, por favor, silêncio, o diretor quer falar.» Então, existe oração subordinada substantiva vocativa?

Grato!

P. S.: Por favor, partam do princípio que o quem iniciando a oração é um pronome indefinido e não um relativo sem antecedente, pois isso é possível.

Reinaldo Silva Estudante Rio de Janeiro, Brasil 3K

Por definição, a oração relativa substantiva ou relativa livre representa, na frase, um nome. Assim, ela pode desempenhar as funções inerentes a um nome, pelo que, a meu ver e analisando bem a frase em apreço, poderá também desempenhar, ainda que não seja muito comum, a função do vocativo. Não sei se lhe poderemos chamar subordinada substantiva vocativa, pois se fosse sujeito também lhe não chamaríamos subordinada substantiva sujeito. Diríamos, antes, que é uma oração subordinada substantiva que desempenha a função de sujeito (ou, no caso em apreço, de vocativo…).

Partindo do princípio de que estamos a fazer uma análise relativamente marginal, ou pouco prototípica, numa frase também ela pouco comum e característica do oral espontâneo, creio que, na generalidade, a função desempenhada não mudaria significativamente se, em vez do relativo quem, estivesse, por exemplo, a expressão indefinida «quem quer que…».

Edite Prada
Campos Linguísticos: Funções sintácticas; Orações