«O uivo do vento abafava as ordens»: aliteração e animismo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«O uivo do vento abafava as ordens»: aliteração e animismo

Qual o recurso estilístico presente em «o uivo do vento abafava as ordens»?

Eduardo Lopes Professor Estarreja, Portugal 2K

No excerto proposto, é de valorizar a existência de dois recursos estilísticos:

1) A aliteração, que consiste genericamente na repetição da mesma consoante – muitas vezes na sílaba inicial – de palavras próximas, com o intuito essencial de contribuir para a musicalidade e para o ritmo do texto, gerando-se simultaneamente efeitos de harmonia imitativa. Por exemplo, na frase em análise, a repetição exaustiva da consoante [v] contribui claramente para «transportar» para o texto o som natural do vento;

2) Uma forma possível de animismo – atribuição a seres inanimados, a coisas ou a entes abstractos de características próprias de animais. Neste caso concreto, é atribuído ao vento um traço caracterizador dos lobos – o uivo –, com o objectivo de «mostrar» ao leitor a intensidade do som provocado pelo vento.

Pedro Mateus