O novo acordo ortográfico, os compostos e as locuções - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O novo acordo ortográfico, os compostos e as locuções

Estou neste momento a fazer um trabalho sobre o novo acordo ortográfico e surgiu-me uma dúvida: cor-de-rosa, porque é consagrada pelo uso com hífenes, é considerada uma palavra composta, certo? Mas, então «cor de laranja», por não ter os hífenes, já não é uma palavra, mas, sim, uma locução? A mim, parece-me que o que distingue uma «locução substantiva» de um «composto» (morfossintático, neste caso) é praticamente nada, pois ambas as estruturas apresentam um comportamento morfológico (a flexão do plural faz-se de forma igual, por exemplo), sintático (ambas ocupam na frase a posição típica de nome ou adjetivo) e semântico semelhantes. O mesmo em relação a «arco-da-velha» (mantém o hífen) e «pé de cabra» (perde o hífen). Atualmente, sabemos que não é o hífen que confere a uma estrutura o estatuto de palavra, pois há tanta oscilação entre o uso e o não uso do hífen neste tipo de estruturas e não é por isso que deixamos de as «sentir» como um todo, independentemente do grau de lexicalização que apresentem. Gostaria muito de saber o que acham.

Agradeço desde já a vossa atenção.

Margarida Madureira Estudante universitária Coimbra, Portugal 11K

Poderemos dizer que estamos perante uma situação de lexicalização quando, independentemente da existência ou não de hífen, os elementos que constituem uma dada unidade de sentido, noutras circunstâncias, poderiam ter significado individual, ou seja, poderiam ser um grupo ou sintagma. Tomemos como exemplo abre-latas. Estamos perante a lexicalização de algo que pode ocorrer em outros contextos: «O João abre latas todos os dias», «Este objeto abre latas». Simultaneamente, a lexicalização é tão profunda, que estamos perante uma palavra composta. Aliás, verbo + nome é um dos processos de composição produtivos em português, contrariamente ao que está subjacente às palavras em apreço — nome + de + nome.

O grau de lexicalização de uma expressão pode ser diferente em diferentes momentos da língua. E em cada momento há expressões com diversos graus de lexicalização; o que conduz a que algumas das expressões lexicalizadas sejam, por exemplo, introduzidas em dicionários, com o estatuto pleno de palavras, e outras o não sejam. No caso dos dois exemplos que apresenta — cor-de-rosa e cor de laranja, ambos ocorrem no dicionário da Porto Editora, disponível gratuitamente. E ambas surgem também no Vocabulário Ortográfico do Português do ILTEC. No caso de cor-de-rosa, apresenta duas variantes, com hífen e sem hífen.

Vale a pena referir por um lado, que o Dicionário Terminológico contempla apenas as locuções prepostivas, adverbiais e conjuncionais; por outro lado, que o novo acordo, em si, não tem influência no conceito de lexicalização.

Edite Prada
Classe de Palavras: substantivo