O aportuguesamento de Dipoenus e Scyllis - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O aportuguesamento de Dipoenus e Scyllis

Gostaria de saber que grafia(s) existe(m) para o nome de dois escultores gregos de Creta. Eu estive a pesquisar, e a única coisa que achei foi uma fonte brasileira de 2006 que emprega "Dípinos" e "Escílis" (Santos, Rita de Cassia Coda dos. Exortação aos gregos: a helenização do cristianismo em Clemente de Alexandria. [S.l.]: UFMG, 2006), fora outras duas, creio eu portuguesas, que citam "Dipoeno" e "Scyllis", porém ambas são do século XIX, onde as grafias eram relativamente bem diferentes das atuais. Como a forma grega não aparece em nenhuma fonte em português, mesmo estando registrada em várias fontes famosas do inglês (como a Enciclopédia Britânica), fiquei na dúvida.

Renato Ferreira Estudante de História São Paulo, Brasil 4K

Os nomes destes escultores grafam-se Δίποινος e Σκύλλις em grego. A estes antropónimos helénicos correspondem Dipœnus (ou Dipoenus) e Scyllis em latim, respetivamente, formas usadas por Plínio e encontradiças nos melhores dicionários.

A grande questão é saber como aportuguesar estes nomes. Habitualmente, com ou sem razão, os nomes gregos chegam-nos por via do latim, e a sua transformação obedece a certas regras. De acordo com essas regras, Dipœnus habitualmente daria “Dipeno” em português, e Scyllis daria “Escílis” (caso a adaptação se fizesse por via do caso nominativo) ou “Escile” (caso a assimilação se baseasse no acusativo). Das duas formas possíveis deste segundo antropónimo (“Escílis” ou “Escile”), ambas defensáveis, creio que a primeira (“Escílis”) é preferível, por analogia com outros antropónimos do género (por exemplo, “Amarílis”) e até porque, convenhamos, tem um ar mais aristocrático...

As formas “Dípinos” e “Dipoeno”, citadas pelo consulente, não têm razão de ser, salvo melhor juízo. A primeira (“Dípinos”) pretende ser uma transliteração direta do nome grego, sem passar pelo crivo latino, mas a transliteração correta seria “Dípoinos”. É verdade que o ditongo οι se pronuncia [i] em grego moderno, mas essa evolução fonética normalmente não influencia a transliteração de nomes helénicos. A segunda (“Dipoeno”) é uma transliteração despropositada da forma latina, pois o ditongo œ (amiúde grafado oe) dá invariavelmente e em português (por exemplo, pœna- > pena).

Gonçalo Neves
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico; Tradução