O Acordo Ortográfico e o termo aistórico

O Acordo Ortográfico, em vigor, prescreve assim:

«O h inicial mantém-se, no entanto, quando, numa palavra composta, pertence a um elemento que está ligado ao anterior por meio de hífen: anti-higiénico/anti-higiênico, contra-haste; pré-história, sobre-humano.» (Base II – Do h inicial e final, 3.º).

Todavia, há um adjetivo, sem hífen, nas mesmas condições acima, como aistórico (datado, segundo Houaiss, de 1930). Aliás, o próprio Houaiss informa que aistórico, menos corrente e mais usado que anistórico, refere-se a uma forma «neológica controversa; propõe-se como forma alternativa anistórico, vocábulo calcado no pressuposto de que o a- privativo grego toma a forma an- antes de vogal, o que é verdade quando não se trata de vogal aspirada — precisamente o caso de histórico, do gr. historikós».

O Acordo não acolheria aistórico por ser uma forma neológica?

Como lidar com esta situação em sala de aula, especialmente na formação de professores de língua materna?

Vicente Martins Professor da Universidade Estadual Vale do Acaraú Sobral, Ceará, Brasil 5K

1. A regra citada não se aplica porque a-/an- não é radical, mas, sim, prefixo, não estando em causa, portanto, uma palavra composta. Acresce se a-/an- não se liga à forma de base através de hífen (cf. amoral, assexuado) também não está em causa a supressão/não supressão do h.

2. Confirma-se que anistórico («contrário à história») é a forma preferencial.

Ana Martins