Lassa, a grafia portuguesa da capital do Tibete - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Lassa, a grafia portuguesa da capital do Tibete

Querendo a Lusa passar a escrever sempre o nome da capital do Tibete pela forma recomendada em português, pedia ao Ciberdúvidas um esclarecimento, uma vez que nos despachos que recebemos das agências internacionais vem sempre "Lhasa".

Luís Miguel Viana Director da agência de notícias Lusa Lisboa, Portugal 4K

A grafia portuguesa da capital do Tibete é Lassa.

É assim que o nome vem registado nas obras de referência da língua portuguesa, e há muito tempo. Casos do Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves (ainda hoje a nossa referência maior, e a despeito da sua nunca reedição/actualização, infelizmente) ou do Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, de José Pedro Machado. Ou, igualmente, na Enciclopédia Luso-Brasileira e no Dicionário Enciclopédico Lello.

“Lhasa” é a grafia inglesa e francesa, indicando um som aspirado que não é possível transliterar em português, já que o dígrafo <lh> é sempre um som palatalizado. Os dois <ss> da grafia portuguesa permitem indicar que o som a eles associado (no caso da transliteração internacional, representado por <s>) é surdo (é o [s] de caça e massa).

Carlos Rocha/José Mário Costa
Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Léxico; Ortografia/Pontuação