«Enquanto que» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Enquanto que»

Entre as muitas dúvidas que a mim e aos meus colegas diariamente surgem, gostaria de esclarecer se, em alguma circunstância, se pode utilizar "enquanto que". Na faculdade, aprendi que a referida expressão era, de todo, inconcebível e a verdade é que, depois de uma busca incessante na "Nova Gramática do Português Contemporâneo", de Celso Cunha e Lindley Cintra, não lhe encontrei uma única referência.

Ioanes Mauricius Professor de Português Pombal, Portugal 30K

A expressão "enquanto que" é condenada por Rodrigo Sá Nogueira no seu Dicionário de Erros e Problemas de Linguagem da forma seguinte:

«Diga-se enquanto sem aquele que. Diga-se, por ex.: 'Pedro estudava enquanto o amigo brincava', em vez de: 'Pedro estudava enquanto que o amigo brincava'. - A construção 'enquanto que' deve ser resultado da analogia com 'ao passo que', que lhe é equivalente, se é que não há aqui influência do francês "pendant que".(...) - Em quanto que provém de imitação do francês "tandis que". Manuel Bernardes, na Nova Floresta, II (1759), 334, tem todavia: 'Mas d'estes conselheiros... dissera eu o mesmo em contrário sentido, em quanto res sacra quer dizer cousa maldita'. - Como se vê, há aqui três sugestões para explicar a construção 'enquanto que': 1.ª -- resultado da analogia com 'ao passo que'; 2.ª -- influência do francês "pendant que"; 3.ª -- imitação do francês "tandis que".

O brasileiro Napoleão Mendes de Almeida, no seu Dicionário de Questões Vernáculas também mostra não apreciar a expressão:

«O que nem todos sabem é que enquanto também significa 'ao passo que', ou seja, pode ser empregado com sentido adversativo: 'João é estudioso, enquanto António não é' - 'Você se saiu bem, enquanto eu me saí muito mal'.

«O que nos leva a tratar desta conjunção é precisamente o emprego dela com este segundo significado, pois andam por aí, talvez por causa do 'que' da locução sinônima 'ao passo que', a escrever 'enquanto que'. Nada disto; joguem fora este 'que' e passem a escrever como ficou exemplificado: 'Você se saiu bem, enquanto eu me saí muito mal'.»

Do Brasil, no entanto, vem Domingos Paschoal Cegalla com o seu Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa onde se pode ler sobre «enquanto que» o seguinte:

«A conjunção enquanto une orações que expressam: a) fatos simultâneos: Malha-se o ferro enquanto está quente. b) fatos opostos: Uns trabalham enquanto outros se divertem.

«No segundo caso, para que o contraste entre os dois fatos fique bem nítido, pode-se usar, em vez de enquanto, a locução enquanto que, equivalente a ao passo que: Uns trabalham enquanto que outros se divertem. / Somente alguns criminosos foram presos, enquanto que a maioria deles continua em liberdade. / Para as grandes empresas, o custo do dinheiro ficou em 20% ao mês, enquanto que para as pequenas a taxa atingiu 26%.»

Nesta questão, como vê, não há unanimidade, embora me pareça que a maioria, até à data, se opõe ao «enquanto que». 

Carlos Marinheiro