As diferenças na pronúncia medieval em relação ao português moderno - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
As diferenças na pronúncia medieval em relação ao português moderno

Gostaria de saber quais as diferenças genéricas na pronúncia de um texto de uma cantiga de amigo para o português moderno. A cantiga em questão apareceu-me musicada pelo compositor Frederico de Freitas e chama-se Ay Deus val. Se a resposta for muito extensa e, consequentemente, difícil de obter aqui, a quem ou a que entidade me poderei dirigir para receber esta informação? Já tenho cantado muitas obras desta época e verifico que a pronúncia é feita de mil e uma maneiras diferentes de acordo com a vontade do director artístico do projecto, mas não segundo regras ou fundamentos válidos.

Grata pela atenção.

Elsa Cortez Professora de Canto Torres Vedras, Portugal 7K

De acordo com a ilustre sábia D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, «a pronúncia palaciana de 1200 a 1350 era mais clara, pausada e enfática do que a de hoje, o que combinaria perfeitamente com o conteúdo e carácter grave e mesurado das canções de amor». É claro que esta afirmação se pode aplicar também às cantigas de amigo, que afinal também eram palacianas. Explicava a insigne filóloga e linguista que «no futuro e no condicional, o acento recaía ora no infinitivo, ora no auxiliar, conforme as exigências do ritmo e suas pausas». D. Carolina escreve ainda, na sua magistral edição do Cancioneiro da Ajuda, «que já no reinado de D. Dinis, que residia amiúde na capital, muitas formas e pronúncias galego-portuguesas seriam pouco usadas entre os cortesãos e desconsideradas pela geração nova como arcaísmos e galeguismos. Tal evolução ajuda a explicar a rápida decadência da arte depois da morte do rei-trovador e o longo interregno lírico, até ao advento de um novo gosto e estilo no século XV».1

1 N. E.: No sentido de exemplificar o que diz Carolina Michaëlis, vale a pena reter, pelo menos, três aspectos da pronúncia do galego e do português medievais:

1. É provável que as vogais átonas fossem mais abertas do que no português europeu moderno:

a) o /e/ átono teria a pronúncia [e], isto é, a do "e fechado", como em cedo, pelo que querer soaria "quêrêr" e não "q'rêr";

b) /o/ átono teria a pronúncia [o], ou seja, a do "o fechado", como em sopa, o que significa que poder soaria "pôder" (note-se, porém, que a pronúncia de /o/ átono final é controversa);

c) sobre o /a/ átono, não se pode dar a certeza de soar como "a fechado" (pronúncia do português europeu moderno; símbolo fonético [ɐ]) ou como "a aberto" (pronúncia do galego e, quase sempre, a do português brasileiro; símbolo fonético [a]).

2. Havia um sistema de quatro sibilantes:

a) duas consoantes apicoalveolares, uma surda (símbolo fonético [ʂ]) e outra sonora (símbolo fonético [ʐ]), que eram geralmente representadas por <s> (início de palavra)/<ss> (no meio da palavra) e <s> (no meio da palavra), respectivamente, e que soavam como as  articulações surda e sonora do chamado "s beirão": sei = [ʂ]ei; passar = pa[ʂ]ar; casa = ca[ʐ]a;

b) e duas consoantes africadas — uma surda, [ts], e outra sonora, [dz] — que passaram depois a predorsodentais (os actuais sons [s] e [z] do diale{#c|}to de Lisboa e da maior parte do litoral e do Sul de Portugal), representadas normalmente, no caso da surda, por <c> (antes de <e> e <i>) e <ç> e, no caso da sonora, por <z>: certo = [ts]erto, [s]erto; paço = pa[ts]o, pa[s]o; prazer = pra[dz]er, pra[z]er. 

3. O grafema <ch> pronuncia-se "tch" (símbolo fonético [tʃ]) e o <x> como "ch" (símbolo fonético [ʃ]), como ainda hoje se ouve em galego e entre muitos falantes dos dialectos setentrionais do português europeu: chamar = [tʃ]amar; baixo = bai[ʃ]o (sobre esta diferença, consulte-se a resposta A diferença entre uma consoante fricativa e uma africada).

F. V. Peixoto da Fonseca
Campos Linguísticos: Pronúncia; Fenómenos fonéticos