A fonética a adoptar por um grupo de música medieval e renascentista - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A fonética a adoptar por um grupo de música medieval e renascentista

Pertenço a grupo musical que se dedica exclusivamente à música medieval e renascentista. Sendo eu a cantora, deparo-me constantemente com problemas no campo da fonética.

De entre o nosso reportório, posso destacar as Cantigas de Santa Maria (Afonso X de Castela) e as Cantigas de D. Dinis (Pergaminho Sharrer), ambas em galaico-português.

Qual a fonética a adoptar é a minha constante dúvida.

Devemos optar por uma leitura mais próxima do latim, do galego, ou do português?

Existe algum estudo especificamente sobre isso?

Quem posso contactar?

Desde já o meu agradecimento pela atenção dispensada.

Tânia Viegas Estudante Lisboa, Portugal 5K

A pronúncia das cantigas apontadas é mais próxima do galego actual que do português. Leia Das Origens da Poesia Lírica em Portugal na Idade Média e Lições de Literatura Portuguesa, ambas da autoria do prof. Manuel Rodrigues Lapa.

F. V. Peixoto da Fonseca
Áreas Linguísticas: Etimologia; Fonética