Alfacinha = lisboeta - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Alfacinha = lisboeta

Quando me colocam questões, consulto imediatamente o Ciberdúvidas, uma ferramenta essencial para qualquer Português. Parabéns pelo espírito "missionário" em prol da língua portuguesa.

Tive necessidade de saber qual a origem da palavra "alfacinha" na acepção de lisboeta e li no Ciberdúvidas que o termo "alfacinha" provém de alface. Mas será mesmo assim? Curiosamente há uma planta que se chama "alfacinha" (Lactuca watsoniana Trelease) de aspecto diferente da alface e com características muito especiais, sendo uma planta endémica dos Açores. Será que no Terreiro do Paço do tempo de Garrett (1846), existiria esta planta na Praça? Será que já possuem mais informação sobre a origem da palavra "alfacinha", já que a questão vos foi colocada em 1999?

Provavelmente é uma questão que ultrapassa os dicionários e poderá existir nalguma tese ou registo na edilidade lisboeta.

Obrigada.

Manuela Ferreira Portugal 11K

Contactei o Gabinete de Estudos Olisiponenses e foi-me dito que o único registo que têm para a origem da alcunha alfacinha é o seguinte, o qual passo a citar:

«Alfacinhas – A origem da designação perde-se: há quem explique que nas colinas de Lisboa primitiva verdejavam já as "plantas hortenses utilizadas na culinária, na perfumaria e na medicina" que dão pelo nome de alfaces. ‘Alface’ vem do árabe, o que poderá indicar que o cultivo da planta começou aquando da ocupação da Península pelos fiéis de Alá. Há também quem sustente que, num dos cercos de que a cidade foi alvo, os habitantes da capital portuguesa tinham como alimento quase exclusivo as alfaces das suas hortas.

O certo é que a palavra ficou consagrada e, de Almeida Garrett a Aquilino Ribeiro, de Alberto Pimentel a Miguel Torga, os grandes da literatura portuguesa habituaram-se a tomar ‘alfacinha’ por lisboeta.»

Nota – Agradeço a Maria Amália Dias, do Gabinete de Estudos Olisiponenses, e a Liana Nóbrega, da Câmara Municipal de Lisboa.

Maria Celeste Ramilo