A formação da palavra infelizmente - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A formação da palavra infelizmente

Gostaria que me esclarecessem uma dúvida que surgiu na classificação da palavra infelizmente quanto à sua formação.

O DT não refere a «derivação por prefixação e sufixação» e há quem defenda que ela deixou de ser considerada. Deste modo, a parassíntese substitui aquilo que designávamos como derivação por prefixação e sufixação. Mas a definição de parassíntese do DT é clara, e não me parece que a palavra infelizmente possa ser considerada derivação parassintética. Devemos continuar a considerar esta palavra como derivada por prefixação e sufixação? Devemos distinguir claramente estes dois processos: «derivação por prefixação e sufixação» e parassíntese?

Obrigada!

Eva Pires Professora Aveiro, Portugal 18K

O Dicionário Terminológico (DT), que se destina a apoiar o ensino da gramática em Portugal, refere a derivação (B. 2.3.1). Esta nunca deixou de ser considerada, dela fazendo parte a afixação, que compreende a parassíntese, para além da prefixação e da sufixação. Por conseguinte, infelizmente deve ser analisada como palavra derivada por sufixação, considerando que a sua base é o adje{#c|}tivo infeliz (este, por sua vez, derivado de feliz por prefixação).1 Mas, note-se, não se trata de parassíntese, porque, na análise de infelizmente, não se admite que o prefixo in- e o sufixo -mente se associem ao mesmo tempo à base feliz.

A parassíntese ocorre em casos como o de anoitecer, no qual a afixação de dois elementos é simultânea: a- + noit- + -ecer. Anoitecer não deriva de "noitecer" nem de "anoite", porque a sua base é noite, palavra à qual se juntam ao mesmo tempo a- e -ecer.

Resta acrescentar que, no DT, a derivação compreende duas rubricas: «processos que envolvem adição de constituintes morfológicos» e «processos que não envolvem adição de constituintes morfológicos». É nos primeiros que se encontra como processo geral o de adição, por sua vez, abrangendo a prefixação, a sufixação e a parassíntese.

1 A base de derivação dos advérbios em -mente é um adje{#c|}tivo (feliz > felizmente; infeliz > infelizmente). Sobre esta particularidade, M.ª Helena Mira Mateus et al., Gramática da Língua Portuguesa (Lisboa, Editorial Caminho, 2003, pág. 949), observam o seguinte: «O único sufixo derivacional do português que [...] [selecciona uma palavra como forma de base] é o sufixo -mente, que selecciona adjectivos femininos ou invariáveis em género [...] e flexionados no singular [...].» As mesmas autoras assinalam a forma portuguesmente como «[...] contra-exemplo à restrição enunciada, [porque] é uma palavra lexicalizada: a sua formação ocorreu, certamente, num momento em que o sufixo -ês não admitia contrastes de género» (ibidem, nota 6).

Carlos Rocha
Classe de Palavras: substantivo