Leonídio Paulo Ferreira - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Leonídio Paulo Ferreira
Leonídio Paulo Ferreira
467
 
Textos publicados pelo autor
E se um jornal de Goa voltar a escrever em português? Aconteceu
Os goeses redescobrem a língua portuguesa

Fundado em 1900, O Heraldo é um jornal de Goa que, em 1983, mais de duas décadas depois da integração deste território na Índia, passou a publicar apenas em inglês. Contudo, a pedido dos seus leitores, voltou a incluir conteúdos em português, numa secção publicada ao domingo. «[Goa] tem uma cultura de tolerância que é notável e mantém um código civil que não faz distinção entre comunidades religiosas, um legado português que foi respeitado por Jawaharlal Nehru, o homem que foi o primeiro primeiro-ministro da Índia independente em 1947 e que não desistiu enquanto não incluiu as possessões portuguesas no novo país» – lembra o jornalista português Leonídio Paulo Ferreira em crónica publicada em 6 de setembro de 2020 no Diário de Notícias, para assinalar este e outros acontecimentos que têm marcado a redescoberta da língua portuguesa pelos goeses.

A língua falada por 27 vezes mais gente <br>do que o país que a inventou
Multiplicação que nem o inglês nem o espanhol podem reivindicar

Chegou a ser língua franca no tempo das Descobertas, e por isso os japoneses ainda dizem koppu para copo, mas com grande ajuda do gigante Brasil, o português é ainda o sexto idioma mais falado no mundo e o mais usado no hemisfério sul, mérito também de Angola e Moçambique.

[artigo do autor, publicado no Diário de Notícias, com a data de 13 de julho de 2019.]

Académico goês premiado na Índia agradece em português
Em homenagem à admirável diversidade cultural e linguística do país

Constantino Xavier, de origem goesa, recebeu da ministra dos Negócios Estrangeiros indiana uma distinção dada a antigos bolseiros de excelência. No discurso de aceitação – como regista o Diário de Notícias de 30/01/2019 . 

Falou um pouco em português, «uma das línguas da Índia», e relembrou cinco séculos de relações bilaterais e ainda o caso de sucesso que é  o primeiro-ministro português António Costa, filho de pai goês.