Augusto Soares da Silva - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Augusto Soares da Silva
Augusto Soares da Silva
1K

Augusto Soares da Silva (Aguçadoura, 1961) licenciou-se em Humanidades e concluiu doutoramento em Linguística Portuguesa, pela Faculdade de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa. Atualmente exerce funções enquanto Linguista e de Professor de Linguística na Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Braga. Desenvolveu estudos nas áreas de Semântica, Lexicologia e Sintaxe, na perspetiva da Linguística Cognitiva. Dos trabalhos que publicou destacam-se: Metáfora, metonímia e léxico (1992 in Diacrítica) e Da semântica da construção à semântica do verbo e vice-versa (2003, in Ivo Castro & Inês Duarte (orgs.)

 
Textos publicados pelo autor

Na base deste estudo está um projecto de investigação em curso sobre as relações lexicais entre o Português Europeu e o Português Brasileiro ao longo dos últimos 50 anos, intitulado Convergência e divergência no léxico do Português.  Esta investigação apoia-se na concepção geral e nos métodos quantitativos da investigação sociolexicológica desenvolvida por Dirk Geeraerts e sua equipa para o Neerlandês (Geeraerts, Grondelaers & Speelman 1999).

Na base deste estudo está um projecto de investigação em curso sobre as relações lexicais entre o Português Europeu e o Português Brasileiro ao longo dos últimos 50 anos, intitulado Convergência e divergência no léxico do Português.  Esta investigação apoia-se na concepção geral e nos métodos quantitativos da investigação sociolexicológica desenvolvida por Dirk Geeraerts e sua equipa para o Neerlandês (Geeraerts, Grondelaers & Speelman 1999).

Imagem de destaque do artigo
Por Augusto Soares da Silva

 

É raro que uma palavra tenha apenas um sentido ou um significado. O que é frequente e, ao mesmo tempo, paradoxal é que os falantes empreguem sem problemas uma mesma unidade lexical em vários contextos e com vários significados, revelando uma propriedade linguística que se chama polissemia. E é aqui que começam alguns dos problemas identificados por Augusto Soares da Silva neste novo livro: o que distingue dois sentidos da mesma palavra? quando é que a diferença de sentidos permite falar de homonímia (mesma forma, mas sentido diferente entre palavras)? e qual é a relação entre sentidos?

Estas e outras perguntas prendem-se com o questionamento sobre a natureza do próprio sentido na linguagem. Trabalhando no âmbito da Linguística Cognitiva, Soares da Silva evidencia assim como hoje se reconhece a centralidade da polissemia nos estudos linguísticos, não só no plano do léxico, mas também nas perspectivas sintáctica, morfológica, pragmática e fonológica. Além disso, como diz o autor, a polissemia «torna-se uma oportunidade para (re)ligar a linguagem à cognição e à cultura […] e oferecer uma alternativa à abordagem “clássica”, isto é, em termos de “condições necessárias e suficientes” […]» (pág. 3). Trata-se, portanto, de uma obra que põe o leitor em contacto não só com desenvolvimentos recentes dos estudos cognitivos em linguística, mas também com a análise e problematização, no âmbito dessa abordagem, de aspectos do funcionamento polissémico de várias estruturas e categorias do português.