Talentos e talentaços - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Talentos e talentaços
Talentos e talentaços

A utilização da língua portuguesa na RTP é a prova acabada do talentaço reinante nos programas da estação pública nacional. A desmedida é tal, que o idioma de Cesário Verde, para não estar sempre a citar o trinca-fortes do Camões, não chega.

Got Talent Portugal é um dos seus mais jubilosos programas, acabadinho de ser anunciado, por acaso no insuficiente idioma do meu vendedor de pêra-rocha.

Os/as brands não soam bem na nossa língua, excepto uma certa marca de atum, de nome algo operático, ou dos tintos do Douro e do Alentejo. O resto, não. Daí o nome do novo programa que vai fazer mais pela educação musical no país do que a Suite Alentejana de Luís de Freitas Branco.

Got Talent Portugal tem o ritmado balancear do seu original americano e da réplica britânica. É conciso como um «arre, porra!», que é rude, arranhado, ferido de cacofonia. O Got é como as favas contadas. Tem a vantagem Godiva, um activo que anda por aqui, uma desnuda lady a seduzir o povo.

Nos quatrocentos anos da morte de William Shakespeare, o que se espera da televisão portuguesa, RTP incluída, é que comece a ser bilingue. Esqueçamos Cervantes, demasiado quixotesco e mouro.

O GTP vai ser um êxito. Sinatra cantava I’ve got you under my skin. Para coroar a voice vencedora, entre as outras voices que desfilarão pelas luzes do palco, a RTP já meteu ao bolso cerca de sete mil concorrentes. Amazing!

Felizes as televisões que têm a testa suada e nos aconselham.

Fonte

Mantém-se a ortografia anterior ao novo acordo, a qual é usada em Moçambique e pelo autor, cidadão deste país.

Sobre o autor

Luís Carlos Patraquim (Maputo, 1953), jornalista, poeta, escritor e roteirista moçambicano, com diversificada obra publicada. Por exemplo, Monção (Edições 70 e Instituto Nacional do Livro e do Disco de Moçambique, 1980), A Inadiável Viagem (ed. Associação dos Escritores Moçambicanos, 1985), Mariscando Luas (Editora Vega, 1992), Lidemburgo Blues (Editorial Caminho, 1997), O Osso Côncavo e Outros Poemas (Lisboa, Editorial Caminho, 2005), Pneuma (Editorial Caminho, 2009) e A Canção de Zefanías Sforza (Porto Editora, 2010).