A confusão entre há e à - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
A confusão entre e à

Há erros que acontecem a todos. Há erros que acontecem aos melhores. Mas num jornal  que se reclama ser de referência como o Diário de Notícias há erros que não devem, não podem, acontecer.

Na edição de 9 de fevereiro (p. 36), numa notícia relativa ao jogo da Taça de Portugal entre o Nacional da Madeira e o Sporting, escreve-se:

«É que falência técnica, poderia juntar-se a falência desportiva, pois o campeonato há muito que deixou de ser um objetivo […].»

Onde está a forma do verbo haver (), assinalada a amarelo, deveria estar a contração da preposição a com o artigo definido a (à). Neste caso, porém, o erro é ainda mais incompreensível pela simetria das duas primeiras partes da frase – à (falência técnica) junta-se a (falência desportiva) – e porque na terceira se utiliza corretamente a mesma forma do verbo haver ( muito deixou de ser).

A dificuldade em distinguir de à é mais comum do que se pensa. Em caso de dúvida, substituir à por «a uma» e verificar se a frase continua sintaticamente correta, ou substituir por «existe», e verificar o sentido da mesma, resolve a maior parte das situações.

Sobre o autor

Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo).