Palavras referentes ao Islão - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Palavras referentes ao Islão
Palavras referentes ao Islão

Lista baseada na que se encontra em “Termos ligados ao islamismo” do portal brasileiro Infoescola. Foram feitas várias correções bem como adaptações à norma de Portugal. Acrescentaram-se igualmente outros termos, como Islão (Islã, no Brasil), nicabe e burquíni.

 

[Na imagem, em baixo, a Mesquita Hassan II, em Casablanca (Marrocos).]

 

 

Alcorão ou Corão – Em árabe, o termo significa "recitação" e faz referência ao livro sagrado do islamismo, que, acredita-se, foi ditado a Maomé pelo anjo Gabriel (em árabe, Jibril ou Jibraʽil), reproduzindo as exatas palavras de Deus.

aiatola ou aiatolá (cf. Dicionário Houaiss) De ayat Allah, «sinal de Deus»; no islamismo xiita é o especialista em estudos islâmicos no campo das leis, ética e filosofia, e, por isso mesmo, tido em alta conta por sua sabedoria.

Alá – Designação árabe de Deus, concebido como deus único, como entre judeus e cristãos. A palavra Allah é uma contração das palavras árabes al illah, que significa «O Deus». É o Criador, o Juiz Misericordioso, que trará os crentes para o céu e coloca os incrédulos e pecadores no inferno.

burca e burquíni – Ver entrada chador e burca, mais em baixo.

califa – É o nome dado ao líder de uma umma (comunidade islâmica) que tem por lei a charia (ou xaria). O califa exerce o papel de juiz, administrador e líder militar, e é considerado o sucessor político de Maomé no islão sunita. O posto foi abolido em 1924, após a queda do Império Turco Otomano.

casbá – Cidadelas fortificadas comuns no Norte de África.

chador e burca – A atualidade (com a história) exige termos mais específicos do que o vago e convencional «véu islâmico»; refira-se, por exemplo, a entrada no léxico português de chador – que, há algum tempo, os dicionários adotaram sem dificuldade, mas que, com rigor filológico, deveria ser xador –, e burca, adaptação adequada de burqa ou burka, transcrições de formas usadas em persa e árabe (consulte-se artigo da Wikipédia em espanhol; ver também nicabe, aportuguesamento de niqab + entrada mais abaixo). De burka/burca formou-se burkini – burquíni, na forma aportuguesada recomendada (com acento no primeiro i, tal como em biquíni) –, o traje de banho usado por mulheres muçulmanas para irem à praia.

charia ou xaria – Sistema jurídico-religioso arcaico, que regula toda a vida social dos muçulmanos e não muçulmanos sob domínio islâmico. Creditada pelos muçulmanos como legada por Deus, ela é, sob tal aspecto, imutável.

hajj A peregrinação a Meca, dever de todo o muçulmano, a ser realizada pelo menos uma vez na vida por todo o indivíduo com saúde e condições financeiras.

imã – É o líder do culto da mesquita e também o título dos principais líderes religiosos a suceder a Maomé.

integrismo e integralismo – Como sinónimos de fundamentalismo, ocorrem nas notícias ambos os termos, mas, no plano religioso, na exata aceção de «apego exacerbado aos princípios e dogmas de uma religião, não admitindo qualquer tipo de mudança em relação a eles» (Dicionário Priberam da Língua Portuguesa), é integrismo o termo registado em vários dicionários (Houaiss, Priberam, Porto Editora).

Islão e islão – A ortografia portuguesa, pelo menos desde meados da década de 40 do século passado (ver Rebelo Gonçalves, Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, de 1947, e Vocabulário da Língua Portuguesa, de 1966), tem-se apoiado numa distinção referencial para determinar o uso da maiúscula e minúscula iniciais; sendo assim, Islão designa o conjunto dos países islâmicos, enquanto islão é a designação da doutrina religiosa também conhecida como islamismo (ver esta resposta). Mencionem-se ainda as variantes Islã/islã (bastante usadas no Brasil) e Islame/islame. Para outra proposta, ver artigo de Francisco Bélard, disponível na rubrica Controvérsias + Ainda o termo "islamista" (e Textos Relacionados correspondentes a esta querela).

jiade (donde jiadismo e jiadista) – Termo que significa «luta», e que pode ser de dois tipos: a jiade menor, ou física, ou externa, na qual há a expectativa de que os muçulmanos defendam sua pátria e o Islão de um possível ataque. A jiade maior é a batalha interior, dentro de si, na qual o muçulmano deve lutar para vencer o mal interior.

madraça – Instituição educacional de natureza religiosa.

Maomé – (570-8 de junho de 632) É tido como o profeta e mensageiro de Deus tanto da fé islâmica como da fé Baha´i.

mesquita – (masjid em árabe) É a casa de oração para o culto da comunidade. A sala de oração principal de uma mesquita é geralmente vazia, com pisos cobertos com tapetes finos em vez de cadeiras. O salão possui um nicho, o mihrab, que indica a direção de Meca, no qual as orações são oferecidas. A mesquita é vista como o lugar para a oração comunitária, especialmente na sexta-feira, e ainda pode ter um número de instituições ligadas a ela, como uma faculdade, cozinha para os pobres, hospital, biblioteca, escola primária, cemitério, e assim por diante.

muezim ou almuadem – É o indivíduo responsável por chamar os fiéis para realizar as cinco preces diárias. Para isso, ele entoa um chamado, o adhan ou azan, do alto do minarete (a grande torre proeminente na maioria das mesquitas). É o equivalente no cristianismo ao sino da igreja.

mufti – É a pessoa a quem é reconhecida a autoridade em assuntos relacionados com a lei islâmica, a sua aplicação e interpretação. Cf. Dicionário Priberam. 

mulá – No islã/islão sunita, é um indivíduo versado na sharia («lei sagrada»). Significa vigário, mestre, guardião e é um título costumeiramente atribuído no mundo islâmico aos intelectuais.

nicabe  Forma aportuguesada da palavra inglesa niqab, originária do árabe نِقاب Niqab, 'véu' ou 'máscara. Trata-se do véu que cobre o rosto e só revela os olhos, usado por algumas mulheres muçulmanas. Cf. Boas-vindas ao nicabe.

ramadão ou ramadã – Nono mês do calendário islâmico, considerado sagrado, pois nele Maomé recebeu a primeira revelação do Alcorão. Durante o ramadão, os muçulmanos jejuam durante o dia, e, no final do mês, promove-se o festival da Quebra do Jejum (Eid al-Fitr).

shahada – Termo que significa, grosso modo, "testemunho", em árabe. Serve para se referir ao pilar máximo do credo islâmico, que sintetiza, numa frase, a ideia central da religião: «Não há nenhum deus além de Deus, e Maomé é o mensageiro de Deus.» A bandeira da Arábia Saudita traz a shahada.

sufismo – Termo que designa movimentos místicos e ascéticos do islão. Um sufi tenta ir além das restrições da prática básica do islão e propõe-se buscar Deus em formas mais íntimas. Em muitos aspectos, isso é semelhante às tentativas dos budistas para alcançar a iluminação. Sempre houve uma tensão entre o sufismo e islão clássico, porque muitas das crenças, ações e declarações do sufis parecem heréticas para não sufis.

sunismo – A maior corrente do islão, com cerca de 80 a 85 por cento do total de fiéis. Os sunitas acreditam que Maomé não nomeou um sucessor e, portanto, este tinha de ser escolhido pelos próprios muçulmanos. Isso levou ao estabelecimento do califado, uma série de homens que assumiram o poder terreno e temporal de Maomé, mas que não fez nenhuma reivindicação como sucessor espiritual do profeta.

umma – É a comunidade islâmica, ou seja, todos os povos que aceitaram o credo islâmico. Hoje, a umma estende-se desde Marrocos (Norte de África) à Indonésia (Sudeste asiático).

vizir – Ministro e conselheiro de um sultão.

xeque ou xeique – Líder de uma cidade ou vila, ou, ainda, pessoa idosa, venerável, ou mesmo um mestre dos ensinamentos do islão. No sufismo, o xeque é um mestre espiritual, um guru.

xerife – Do termo árabe xarīf, que significa «nobre, eminente» (cf. Dicionário Houaiss) e é o título dos ex-governadores de Hejaz (litoral ocidental da península arábica) e comissário das cidades sagradas de Meca e Medina.

xiismo – Principal divisão do islamismo, com cerca de 15 por cento de adeptos. A principal razão para a sua separação da linha principal, a sunita, reside na questão da sucessão de Maomé. Os xiitas acreditam que Ali, genro e primo do profeta, é o seu sucessor e herdeiro espiritual.


Fonte

Adaptação da lista "Termos ligados ao islamismo", disponível no portal brasileiro Infoescola, com acrescentos da responsabilidade do Ciberdúvidas..