Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma O português do Brasil
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Imagem de destaque do artigo

«(...) Como se tivesse sido tirado às pressas, ainda empoeirado, de um baú, Temer soa antigo a cada gesto, a cada pausa, a cada sorriso, a cada murro na mesa. E, ainda por cima, disse a certa altura “(...) sê-lo-ia pela minha formação democrática (...)”. “Sê-lo-ia” é a tal mesóclise – que, se não se usa todos os dias em Portugal, no tropical e mais informal Brasil então é mesmo uma ave rara. (...)»

[in Dinheiro Vivo/Diário de Notícias, 17/08/2016]

Imagem de destaque do artigo

A proximidade entre o português arcaico e as línguas bantas resultou no português que hoje se fala no Brasil, diz nesta entrevista à edição de 1/05/2015 da Revista de História da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro, Brasil) com a etnolinguista e professora da Universidade brasileira do Estado da Bahia, Yeda Pessoa de Castro. Com o título original "A língua portuguesa que falamos é culturalmente negra" e a condução do historiador Marcelo Scarrone (autor da entrada que precede a entrevista, transcrevemo-la a seguir, na íntegra, com devida vénia.

 

Imagem de destaque do artigo

A «intragável» proliferação de programas de culinária na televisão portuguesa é pretexto desta receita no dialeto caipira, reproduzida nesta crónica do jornalista Wilton Fonseca, na sua coluna semanal do jornal "i" de 1/05/2014.

 

 

Luciano Eduardo de Oliveira aponta algumas expressões que marcam a diferença entre os falantes do Rio de Janeiro e os de São Paulo.

 

A publicação de Variantes Cariocas da Língua Portuguesa (apresentado  no Ciberdúvidas, na rubrica Montra de Livros), inspirou-me a anotar algumas diferenças lexicais entre o Rio de Janeiro e São Paulo (SP),...

Claro, todo o mundo já ouviu falar que as línguas são como seres vivos, que mudam com o tempo e até morrem. É verdade e, se não fosse assim, ainda estaríamos falando latim. Nada, portanto, contra as mudanças na língua, contanto que sejam ditadas por uma razão mais ou menos respeitável, até mesmo pela famosa lei do menor esforço, quando não redunde em empobrecimento da capacidade de expressão.