O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma História da língua
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
Como pôde o português castelhanizar-se, e sobreviver?
A dinâmica da língua a partir do século XV

Vídeo da sessão da Classe de Letras da Academia de Ciências de Lisboa (ACL) que, intitulada "Como pôde o português castelhanizar-se, e sobreviver", se realizou em 14 de janeiro de 2021 e teve como orador o linguista e crítico literário Fernando Venâncio.

Deturpações populares
Erros com colesterol, vistoria e casa geminada, entre outros casos

«Há algumas deturpações populares que são fáceis de perceber, embora com uma irreprimível vontade de rir quando as ouvimos na presença de quem as diz sem pestanejar» – começa assim este apontamento do professor João Nogueira da Costa a respeito de certos termos – colesterol, vistoria e casa geminada – alterados por ação de falantes menos conhecedores, que os distorcem por analogia e alteração fonética.

Publicação do mural do autor no Facebook, em 8 de agosto de 2019.

Entre o Céu e o Inferno
Etimologia e visões religiosas

«Em termos da nossa tradição judaico-cristã, há uma Terra, um Céu e um Inferno (o Cristianismo considera uma quarta instância, o Purgatório)» – diz o linguista Aldo Bizzocchi num apontamento dedicado à etimologia não só das palavras céu e inferno em português mas também dos termos correspondentes noutras línguas.

Artigo publicado no blogue Diário de um Linguista em 2 de fevereiro de 2021.

Os luso-africanos
Descolonização, relações interétnicas e terminologia

«(...) A Senegâmbia abrange uma zona cultural importante, compreendendo os atuais SenegalGâmbia e Guiné-Bissau, com foco central na Casamance, onde contactos intercomunitários foram frequentes. Os luso-africanos mencionados por Jean Boulegue integraram-se ao longo do tempo nas sociedades da região e hoje a sua presença histórica aparece em nomes de algumas famílias, da própria Casamance (do português Casa Mansa) e, mais para norte, da localidade de Joal-la-portugaise, onde nasceu Leopold Sedar Senghor [1906-2001], principal teórico da negritude e primeiro presidente do Senegal (...).»

[Artigo do economista e escritor Jonuel Gonçalves incluído em 21 de julho de 2020 na edição eletrónica do jornal Público, à volta do colonialismo português em África, da descolonização, de relações interétnicas e da terminologia associada.]

Portugal visto do céu
Demografia, dialetologia e história da língua

Conferência virtual do professor universitário Ivo Castro, intitulada «Portugal visto do céu — demografia, dialetologia e história da língua», no Abralin ao vivo. em 14 de maio de 2020. 

Viagem a bordo do S português
História de uma letra

Uma discussão com um dos seus filhos, levou o tradutor e professor universitário Marco Neves a investigar a origem da letra s. Um texto que este autor publicou no seu blogue Certas Palavras em 29 de janeiro de 2020 (mantém-se a ortografia original, a qual é anterior ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990).

O til de Fernãdo Venãcio
A propósito de um livro sobre a génese do português

Depois de, em 2014, se terem comemorado os 800 anos de um dos primeiros documentos em português – o testamento de Afonso II –, o tema das origens da língua portuguesa regressa à atualidade graças à publicação de Assim Nasceu uma Língua, obra da autoria do linguista, crítico literário, tradutor e escritor Fernando Venâncio, que o publicou em outubro de 2019, com a chancela da editora Guerra e Paz. A propósito do lançamento deste livro, inovador e polémico, transcreve-se com a devida vénia a crónica que o historiador e político português Rui Tavares assinou no jornal Público em 23/12/2019.

<i>Moio</i> e <i>xarém</i> a concurso
Variação e história da língua em modo televisivo

Para lá das questões de norma linguística, nem sempre tratada com o cuidado devido, os programas de televisão podem também deixar escapar muitas formas que, afinal, são também parte da história da língua. Um texto que assinala duas formas de uso popular – "moio", em vez da forma correta moo (de moer), e xerém/xarém – um tanto disfarçadas no meio da excitação de um concurso televisivo com grande audiência. 

A língua falada por 27 vezes mais gente <br>do que o país que a inventou
Multiplicação que nem o inglês nem o espanhol podem reivindicar

Chegou a ser língua franca no tempo das Descobertas, e por isso os japoneses ainda dizem koppu para copo, mas com grande ajuda do gigante Brasil, o português é ainda o sexto idioma mais falado no mundo e o mais usado no hemisfério sul, mérito também de Angola e Moçambique.

[artigo do autor, publicado no Diário de Notícias, com a data de 13 de julho de 2019.]

Os olhares de Olavo Bilac e Caetano Veloso<br> sobre a Língua Portuguesa
Duas épocas distintas da vida brasileira

Ensaio do professor universitário e poeta Everaldo Augusto sobre o poema Língua Portuguesa, de Olavo Bilac, e a música Língua, de Caetano Veloso

Texto transcrito, com a devida vénia, do jornal digital Tornado, com data de 10 de junho de 2019.