América - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
América
América
Sobre o nome e o gentílico dos Estados Unidos da América

«Aqueles que veem nos termos América e americano uma ação verbal de validação da hegemonia dos Estados Unidos da América querem que a língua deixe de ser um acordo tácito entre uma vastíssima comunidade de falantes [...].»

 

Referencialmente, objetivamente, a palavra América designa as três Américas. Na comunicação normal entre as pessoas, América designa Estados Unidos da América. Isto porque a língua é uma convenção: toda uma comunidade de falantes convenciona tacitamente designar um conceito por uma certa palavra, à revelia da referencialidade. E está convencionado que americano quer dizer «cidadão dos Estados Unidos da América». América é então uma forma abreviada de Estados Unidos da América. Daí o Era uma vez na América ou o Capitão América, ou Um americano em Paris ou O sonho americano, A Golpada americana, ou a música América no West Side Story, etc., etc.

Aqueles que veem nos termos América e americano uma ação verbal de validação da hegemonia dos Estados Unidos da América querem que a língua deixe de ser um acordo tácito entre uma vastíssima comunidade de falantes – do presente e do passado – consolidado por todo um legado cultural – e passe, assim, alegadamente, a seguir critérios de objetividade e rigor.

Então, uma alternativa será dizer-se norte-americano. Só que, em rigor, não há nenhum país que se chame América do Norte, além de que o termo deixa de fora os canadianos.

Outra proposta é estadunidense, mas o problema é que aqui, também em rigor, em rigor, estadunidense poderá querer dizer «mexicano», dado que o nome oficial do México é Estados Unidos Mexicanos, ou [aludir a]o Brasil, que, até 1967, era a «República dos Estados Unidos do Brasil». De qualquer maneira o termo estadunidense também só poderá funcionar como gentílico, doutra maneira, ironicamente, teríamos de dizer que toda esta discussão é fruto de um generalizado sentimento antiestadunidense.

Há pessoas de várias nações que continuam a dizer americano, américan, americano, e há outras que optam por norte-americano ou estadunidense. E está tudo bem. Cada um diz o que quer. A questão está em que quem não quer dizer americano não pode invocar razões de rigor e objetividade. O problema de se invocarem falsas razões de objetividade é que a imprensa portuguesa ao dizer norte-americano e a imprensa brasileira ao dizer estadunidense está a legitimar-se como imprensa objetiva, quando, na verdade, a opção é política.

Fonte

Apontamento de autora na rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português,  transmitido na Antena 2, no dia 6/01/2019.

Sobre a autora

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa