No teatro das "inoperações" - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
No teatro das "inoperações"

No enredo do Acordo Ortográfico todos estão a desempenhar um mau papel.

O texto do Acordo em si tem contradições, omissões e instabilidade de critérios, já notadas logo desde 1986. Para além disso, permite manter muitas divergências ortográficas entre os países lusófonos.

No que toca às editoras portuguesas, estas querem manter mercado em África sem investir em reedições que actualizem a forma gráfica de 1,6 % das palavras. Sugeriram boicote ao Acordo caso este venha a ser ratificado por Portugal. Ignoram, incompreensivelmente, que a Angola e a Moçambique, com milhões de pessoas para alfabetizar, não custa nada ratificar o Acordo, logo que o Brasil, que o vai aplicar este ano, lhes propuser livros escolares e dicionários mais baratos, com um bom abastecimento e distribuição — e, ainda por cima, com uma ortografia mais facilitadora da aprendizagem: livre do trema, das consoantes mudas, da esmagadora maioria das intricadas regras do hífen, de alguns usos do acento agudo e circunflexo, etc.

Mas a pior actuação ainda consegue ser a do Governo português. A 2 de Novembro de 2007, o ministro dos Negócios Estrangeiros afirmava que a ratificação teria lugar antes do final do ano e, dias depois, a ex-ministra da Cultura anunciava que Portugal ia pedir uma moratória de 10 anos para a entrada em vigor do Acordo. Terminou 2007 sem que o último Conselho de Ministros tratasse da questão. Já este ano, a 7 de Fevereiro, o mesmo ministro declarou à Antena 1 que afinal a controvérsia atingiu o próprio seio do Governo. Entretanto, o parlamento decidiu que seria bom assistir, nesta Primavera, a algumas sessões de esclarecimento por especialistas na matéria.

Continuamos na plateia à espera do acto soberano do Governo — dizer sim ou dizer não —, mas o pano nunca mais abre…

Fonte

Artigo publicado no semanário Sol de 23 de Fevereiro de 2008, na coluna Ver como Se Diz

Sobre a autora

Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as SerrasContos com Nível é o seu último livro. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa