Evanildo Bechara: «As mudanças foram muito modestas» - Acordo Ortográfico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Evanildo Bechara: «As mudanças foram muito modestas»
Evanildo Bechara: «As mudanças foram muito modestas»

texto descritivo da imagem

Um dos maiores conhecedores da língua portuguesa, o académico Evanildo Bechara, critica o acordo ortográfico de 1990, que, na sua opinião, não simplifica suficientemente as regras de emprego do hífen e ainda admite um número excessivo de casos de acentuação. Para Bechara, a Academia Brasileira de Letras e os países lusófonos deveriam unir-se para alterar "a filosofia" da reforma ortográfica.

Bechara defende que o número de acentos devia ser mais reduzido e que as treze regras do hífen deste Acordo (contra as quarenta verificadas até aqui) poderiam ser reduzidas para quatro ou cinco).

O linguista faz notar também que as tentativas de reforma ortográficas do princípio do século passado visavam a pronúncia, mas que actualmente, com a omnipresença dos meios de comunicação audiovisual actuante na difusão da pronúncia padrão, a ortografia pode dispensar essa vertente fónica.

Ler notícia integral.