Início Português na 1.ª pessoa Acordo Ortográfico Artigo
Acordo Ortográfico

«Portugal tem 10 milhões de habitantes – mas o Brasil tem 200 milhões. Só por arrogância ou por capricho se pode defender que devemos ficar ad aeternum agarrados às nossas regras. O nosso papel deverá, mesmo, ser o oposto: levar os países que ainda não adoptaram o Acordo, como Angola, a fazê-lo rapidamente.» Artigo publicado pelo diretor do semanário Sol, na sua coluna A sério.

 

Quando o Acordo Ortográfico foi assinado, em 1990, numa cerimónia no Palácio da Ajuda, o jornalista Francisco Belard escreveu uma notícia com muita graça na qual utilizava um grande número de palavras que iriam mudar de ortografia.

A ideia era brilhante e o resultado era expressivo: a notícia causava enorme estranheza, revelando-se mesmo de muito difícil leitura.

Quem a lesse não precisava de mais nada para, naquele preciso momento, se tornar um adversário acérrimo do Acordo Ortográfico.

E muitos intelectuais da época assumiram a mesma posição, uns por conservadorismo, outros — talvez — pelo facto de o Acordo resultar de uma iniciativa de Cavaco Silva e ser negociado por Santana Lopes, então secretário de Estado da Cultura. A onda era essa — e convenci-me de que o meu pai (autor de uma História da Literatura Portuguesa) também teria a mesma atitude.

Para mim, isso era líquido.

Foi, pois, com a maior surpresa que, quando o assunto veio à baila, o ouvi dizer:

— A oposição ao Acordo Ortográfico é um enorme disparate. O nosso grande património é termos uma língua comum com o Brasil, com Angola, com Moçambique… Tudo o que pudermos fazer para aproximarmos a grafia uns dos outros é decisivo para nós. Perante isso, não tem qualquer interesse discutir chinesices, como a escrita desta ou daquela palavra.

Esta posição, assumida com a maior convicção, mudou o meu modo de olhar para o Acordo.

Senti-me mesmo um pouco envergonhado por ter defendido a posição contrária. É óbvio que não entrarei em discussões técnicas sobre este assunto com Vasco Graça Moura ou qualquer outro especialista.

Eles saberão certamente muito mais do que eu.

Só que a questão essencial não é essa.

O essencial não é discutir o resultado — é admitir que são úteis todos os esforços que se façam no sentido de os países onde a língua oficial é o português aproximarem as suas grafias.

E são especialmente importantes para nós, portugueses.

Portugal tem 10 milhões de habitantes — mas o Brasil tem 200 milhões.

Só por arrogância ou por capricho se pode defender que devemos ficar ad aeternum agarrados às nossas regras.

O nosso papel deverá, mesmo, ser o oposto: levar os países que ainda não adoptaram o Acordo, como Angola, a fazê-lo rapidamente.

O que vale aqui é o princípio.

É termos permanentemente na cabeça a ideia de que todos ganham se em Portugal, no Brasil, em Angola, em Moçambique, em S. Tomé, em Cabo Verde, na Guiné e em Timor se escrever do mesmo modo.

Alegar razões de "consciência" para rejeitar o Acordo é simplesmente ridículo: a ortografia não envolve princípios nem valores.

Não é como o aborto, por exemplo, que choca com o valor da vida.

A escrita é uma convenção — e mexe essencialmente com o hábito.

Por isso, a resistência à mudança é sobretudo um problema de conservadorismo. Claro que ser conservador não é nenhum crime.

Mas não deixa de ser curioso que muitos dos opositores ao Acordo sejam intelectuais de esquerda, em princípio “progressistas”.

Ou será que, também nesta área, a esquerda se está a tornar conservadora?

Um conservadorismo, adiante-se, em estado quase puro, pois antes de mais diz respeito a hábitos visuais.

Estranhamos ver “aspecto” escrito sem “c”.

Mas os nossos avós também estranharam na época ver “farmácia” escrita com com “f” — e nós estranhamos vê-la escrita com “ph” nas fachadas antigas.

E os nossos filhos ou netos que aprenderem na escola a escrever já com a nova ortografia olharão com estranheza para este texto que o leitor está a ler.

Porque a escrita, repito, é uma convenção e um hábito.

A verdade é que, quando falamos em defender a «língua de Camões», esquecemo-nos de que o poeta assinava Luiz de Camoëns.

(…)

Fonte
In semanário Sol de 17 de fevereiro de 2012

Sobre o autor

José António Saraiva (Lisboa, 1948) é um arquiteto e jornalista português. É, atualmente, diretor do semanário Sol, jornal lançado por ele, e Professor convidado no Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa. Ao longo da sua carreia, exerceu funções em diversos jornais, entre eles, A Bola, Portugal Hoje e Diário de Notícias e publicou diversas obras: Do estado Novo à Segunda República (1974), O Último Verão na Ria Formosa (2001) e Documentos Diplomáticos (2009).