Do feminino de chanceler ao obscurantismo linguístico - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Do feminino de chanceler ao obscurantismo linguístico
Do feminino de chanceler ao obscurantismo linguístico
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 914

Em Portugal, com a visita da chefe do governo alemão, Angela Merkel, mais uma vez a comunicação social se defronta com o feminino de chanceler: diz-se «a chanceler», ou «a chancelerina»? Ambas as palavras estão corretas, mas casos como este, de concorrência vocabular, são muitas vezes resolvidos pela prevalência de apenas uma das formas. Muito dependerá certamente da continuidade no cargo desta ou de outras figuras femininas.

Nesta atualização, também se denuncia a falta de clareza da língua usada em Portugal, nas instâncias oficiais e na vida política — o diagnóstico é feito pela linguista Ana Martins, em artigo publicado no jornal Público e disponível no Nosso Idioma. Finalmente, no consultório, fala-se de história da língua e de sintaxe dos verbos, não esquecendo os diferentes registos linguísticos, distinção essencial para a seleção das palavras mais adequadas a um dado contexto de comunicação.

Para continuar como projeto sem fins lucrativos e de acesso gracioso, o Ciberdúvidas tem a sua viabilização dependente do apoio de quantos, por esse mundo fora, gostam e querem saber mais sobre a língua portuguesa. Se quer ajudar, junte-se à campanha SOS Ciberdúvidas (esclarecimentos pelo endereço apoioaociberduvidas@gmail.com).

As aulas do nível B1 dos cursos de Português Língua Estrangeira dos Cibercursos já começaram (as inscrições terminam no dia 12 de novembro). Mais pormenores aqui, nas Notícias e no grupo Cibercursos no Facebook, onde também se encontra informação sobre o Programa de Aprendizagem Colaborativa.