À espera do Vocabulário Comum da Língua Portuguesa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
À espera do Vocabulário Comum da Língua Portuguesa
À espera do Vocabulário Comum da Língua Portuguesa
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 739

espera1. Ciberdúvidas regressa às suas actualizações diárias, depois da habitual pausa do Natal e do fim de ano. Nesta primeira actualização de 2009 ficam em linha 9 novas respostas. Chamamos ainda a atenção para a rubrica Notícias, onde divulgamos um trabalho do jornalista David Borges sobre a aplicação do novo Acordo Ortográfico em Portugal.


2. Com 2009 entrou em vigor no Brasil o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, embora ainda num período de transição até à sua aplicação integral, a partir de 31 de Dezembro de 2012. Portugal, com uma moratória até 2014, poderá começar a adoptá-lo oficialmente, segundo tudo indica, em meados de 2010 — nada se sabendo, entretanto, dos restantes países da CPLP, incluindo os Estados que já ratificaram a uniformização da forma de se escrever o português (Cabo Verde e São Tomé e Príncipe).

3. No Brasil , com os principais jornais — casos de O Globo e Estado de S. Paulo — adoptando logo as novas regras do acordo, anuncia-se já para Fevereiro a publicação de um novo Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, sob a iniciativa da Academia Brasileira de Letras, com cerca de 300 mil termos segundo o Acordo Ortográfico.


4. Perguntava o jornalista David Borges, no trabalho que assinou no Diário de Notícias de 4 de Janeiro de 2009 ("Falta [um] vocabulário comum na língua unificada"): «Sabendo-se que o único Vocabulário editado em Portugal, da autoria do Prof. Rebelo Gonçalves, está desactualizadíssimo e esgotado (a última edição data de 1966), Portugal vai adoptar o do Brasil? Ou vai promover também o seu? É o do Professor Malaca Casteleiro, que anunciou ter alcançado um financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia para ele próprio elaborar esse  Vocabulário? Se sim, não corremos o risco de, a despeito da ratificação do Acordo Ortográfico, continuarmos com duas ortografias oficiais para a língua portuguesa? Sabendo-se que Academia Brasileira de Letras não tem parceiro à altura em Portugal nem havendo intercâmbio de informação, quem poderia estabelecer pontes e uma negociação com o Brasil para uma concertação para esse Vocabulário (verdadeiramente) Comum?»

[ver "Dúvidas a mais sobre muitas palavras com dupla grafia"]


5. Obra absolutamente fundamental para a aplicação do Acordo Ortográfico — o texto original, de 1990, assim como o posteriormente estabelecido nos Protocolos Modificativos de 1998 e de 2004, deixa mil e uma questões por definir1:o Vocabulário Comum da Língua Portuguesa será, por isso, o documento-bíblia da língua portuguesa para a legitimação dos dicionários, prontuários e demais bibliografia que venham a ser publicados segundo as novas regras ortográficas, sob pena de se estar a caucionar meras iniciativas oportunistas de âmbito exclusivamente comercial, como já está por aí à vista, em Portugal. Nessa medida, pela sua importância estratégica para a língua portuguesa, idioma oficial de oito países, não pode ser produto de um só país — no caso, o Brasil, como está a suceder, por manifesta inacção de Portugal e a continuada subalternização dos países africanos de  expressão oficial portuguesa. Desta preocupação deu nota à agência de notícias Lusa o presidente do Conselho Científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, o linguista brasileiro Godofredo de Oliveira Neto: «O Acordo Ortográfico, assinado em 1990, pode fracassar na prática se não for elaborado um vocabulário ortográfico comum. (…) O Acordo deixou algumas coisas em branco, como, por exemplo, o uso do hífen [área controversa entre Brasil e Portugal].»


6.  Enquanto «o Acordo [ficar] desacordado» — na saborosa expressão de Godofredo de Oliveira Neto —, Ciberdúvidas manterá nos seus textos a opção pela dupla ortografia. Já não, como até aqui, PE e PB (Português Europeu e Português do Brasil), mas conforme o que passou a vigorar desde 1 de Janeiro de 2009: com a nova ortografia seguida no Brasil (AO) e a que ainda prevalece em Portugal e nos demais países lusófonos (PP). Por razões técnicas só concretizaremos esta mudança posteriormente — para tal bastando, como também até aqui, levar o cursor até às iniciais PB (Português  do Brasil) ou PE (Português Europeu), no canto superior direito desta página, e fazer clique: o texto aparece na ortografia pretendida.


1 A propósito da importância de um (verdadeiro) Vocabulário Comum para a Língua Portuguesa, leia-se o esclarecedor artigo Os argumentos pró-Acordo Ortográfico e a importância do vocabulário comum, da autoria de D'Silvas Filho, um dos nossos especialistas mais autorizados nas diferenças entre o português de Portugal e o do Brasil.