«Vós ides» e «vocês vão» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Vós ides» e «vocês vão»

Há não muito tempo, falando com nativos de Lisboa, disse «ides acompanhar [o jantar] com o quê?». Riram-se muito, porque, segundo eles, é uma formulação em desuso em Lisboa, onde supostamente se diria «vão acompanhar... com o quê?». Pergunto se alguma das formulações é mais correcta que outra e se há explicação para esta suposta diferença de utilização do verbo ir. E, já agora, se há alguma que seja mais formal/informal que outra, isto é, «vós ides» é mais formal/informal que «vocês vão»?

Obrigado.

Victor Ferreira Jornalista Lisboa, Portugal 7K

Do ponto de vista linguístico, uma variante não é mais correcta que outra e ambas têm valor homólogo no âmbito das respectivas variedades dialectais: o pronome de segunda pessoa do plural é vós em grande parte dos dialectos setentrionais portugueses, e vocês nos dialectos centro-meridionais, nomeadamente no dialecto das camadas mais cultas da região de Lisboa (para a tradição, era a zona de Coimbra incluindo Lisboa que dava o modelo do bem falar).

Apesar disto, aceitando que o português europeu-padrão se identifica com o dialecto da capital de Portugal, deve reconhecer-se, mesmo assim, que o vós se usa em registos arcaizantes formais nessa variedade, por exemplo nos textos bíblicos e no discurso em contexto religioso.

Quanto à atitude dos nativos de Lisboa perante o uso de vós e respectivas formas verbais, considero que a população que tem como variante-materna o dialecto de Lisboa costuma mostrar falta de sensibilidade para outras variedades linguísticas do português, considerando-as (erradamente) incorrectas ou antiquadas. É uma reacção (inevitável?) à diferença, mas que pode e deve ser corrigida, até para bem do amadurecimento cultural e emocional da sociedade portuguesa.

Carlos Rocha