Sobre o de nos antropónimos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre o de nos antropónimos

Num destes dias surgiu a discussão no meu grupo de amigos sobre a questão de alguns nomes próprios, como o meu, terem o de pelo meio (exemplo: Pinheiro de Oliveira). E alguém disse que seria uma regra e não uma opção, porque uma palavra termina em vogal e outra começa com vogal. A minha dúvida é: existe essa regra? O meu nome poderia ser Pinheiro Oliveira simplesmente?

Tânia Oliveira Escriturária Seixal, Portugal 4K

O emprego da preposição de (bem como das contracções do e da) nada tem que ver com a «suposta» regra que apresenta, mas com os antecedentes paternos. Por exemplo, eu tenho da Fonseca porque já meu pai assim fazia e assim me registou. Quem, por exemplo, estiver registado com Pinheiro de Oliveira tem de (deve) manter a preposição, sobretudo em documentos oficiais.

F. V. Peixoto da Fonseca
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Outros; Sintaxe