Pronúncias: rr - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pronúncias: rr

O assunto das pronúncias do rr forte em Portugal tem sido abordado aqui. Permito-me expor o meu ponto de vista. Penso que há 3 e não 2 pronúncias do rr: (desculpem os nomes, mas nao sou especialista) 1) o rr rolado, como o dos espanhóis; 2) o rr pronunciado com o fundo do céu da boca, fazendo-o ondular (creio que como o j dos espanhóis); e 3) o r pronunciado com a garganta, sem ondular a boca. O que vos parece?

Outra questão: no Norte do país em várias zonas há mistura entre os sons ou e au (não é au com a bem aberto, mas é mais aberto que ou, não sei explicar). De tal modo que surgem palavras como "ougar" (augar ou aguar, no sentido de apetecer) e "ourado" (sentir-se ourado, creio que de aura). Mas isto é geral. A pronúncia de outros, por exemplo, é parecida com "autros", digamos. Pergunto: isto é uma evolução recente ou uma manutenção (pelo menos nalguns casos) da forma latina (creio que altrum, ou, por exemplo, aurum, etc.).

Obrigada.

T. R. Portugal 5K

Só são consideradas normais, em português europeu, os rr rolados (pronúncia mais antiga, que infelizmente se vai perdendo) e o proferido «com a garganta». Quanto ao r final e ao intervocálico, é apical simples, isto é, pronunciado com uma única vibração da ponta (ou ápice) da língua no céu da boca (logo a seguir aos incisivos superiores).

A pronúncia âu a que se refere é meramente dialectal, evolução de ou (hoje ô normalmente), pois este ditongo, actualmente também só dialectal, nunca foi grafado au em português. Isto não impede que au, quando a nossa língua ainda não se escrevia, deve ter sido a prolação inicial resultante da vocalização do l de al.

F. V. Peixoto da Fonseca