Lhe - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Lhe

Segundo aprendi, o pronome "LHE" só pode ser usado para pessoas e, na função de objeto indireto ou adjunto adnominal, apenas quando o verbo exigir a preposição "a" ou "para".

Desta forma, não se poderia escrever, por exemplo:

1) "Preciso-LHE muito" (no sentido de "preciso muito DE você");

2) "Como o CÃO estava com fome, dei-LHE comida" (dei comida ao CÃO);

3) "Porque o CARRO já estava velho, furou-LHE um pneu" (no sentido de "furou o pneu do CARRO").

O que gostaria é que os senhores me confirmassem se estes raciocínios que fiz a partir de meus estudos estão corretos. Pois as coisas nem sempre estão muito claras nas gramáticas, e talvez eu tenha entendido errado.

Se for possível acrescentarem algo mais sobre o emprego desse pronome seria ótimo.

Obrigado pela atenção.

Márcio J. C. Coimbra funcionário público Rio Grande do Sul, Brasil 17K

O pronome lhe podemo-lo usar em relação a pessoas, animais e coisas:

(1) Encontrei a tua menina e dei-lhe um beijo.

(2) Como o cão estava com fome, dei-lhe comida.

(3) Comprei este automóvel, mas mudei-lhe os pneus para ter mais segurança.

Das frases apresentadas pelo nosso consulente, a 1) está errada. Estaria correcta assim: Preciso muito de si.

Geralmente, o pronome lhe = a ela/ela, mas há verbos que não admitem o lhe, como por exemplo: aspirar, ajudar, presidir, recorrer.

O pronome lhe também se emprega muito no caso dativo de interesse.

Refere-se à entidade que tem interesse em determinado facto, a quem importa determinado facto. Chama-se dativo, porque em latim essa palavra vai para o caso dativo. Também se lhe chama dativo ético. Dois exemplos:

(1) Entrei-lhe pela porta dentro, e fartámo-nos de falar sobre o caso.

(2) Pus-lhe o livro em cima da mesa e saí.

Na frase 2), o pronome lhe está correcto, porque é o complemento indirecto de dei.

A frase 3) ficaria melhor redigida assim:

(3) ... furou-se-lhe um pneu.

Sim, porque o pneu não furou. O pneu furou-se.

Em furou-se-lhe, o pronome lhe é também dativo de interesse.

Nota. - Não é conveniente dizermos «O que gostaria», mas sim «Aquilo de que gostaria», porque nós «gostamos de», porque gostamos de alguma coisa, e não gostamos alguma coisa.

José Neves Henriques