«Estudá-las» e «estuda-las» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Estudá-las» e «estuda-las»

Gostaria de saber como devo encarar a terminação dos verbos quando estes são "reflexados". Qual das duas opções está correcta e existe uma regra?

«Porquê estudá-las se já são conhecidas?»

ou

«Porquê estuda-las se já são conhecidas?»

Obrigado.

Pedro Varela Arquite{#c|}to Porto, Portugal 9K

Na frase em questão não estamos perante um verbo reflexo, mas sim perante um pronome átono (-las) que está a substituir um complemento directo. Sucede que entre «estudá-las» e «estuda-las» existe uma alternância vocálica para marcar a diferença entre o presente do modo indicativo (estuda) e a forma infinitiva do verbo (estudar), à semelhança do que acontece com outros verbos que apresentam alternâncias vocálicas para marcar a diferença entre o presente do indicativo e o pretérito perfeito do indicativo. A alternância vocálica é marcada graficamente com o acento. Veja-se os seguintes exemplos:

(i) gostamos/gostámos
(ii) estudamos/estudámos

Além disso, para além da diferença na vogal entre as duas formas do verbo, existe também uma diferença de acento: «estudá(-las)» é uma palavra aguda (oxítona), ao passo que «estuda(-las)» é uma palavra grave (paroxítona).

Ora, nas frases em causa é necessário marcar a diferença vocálica e acentual porque o complemento directo está pronominalizado e, como tal, ao fazer-se a contracção do verbo com o pronome, apaga-se a marca de infinitivo e de indicativo. Se o complemento directo não for pronominalizado, não é necessário marcar esta diferença, pois a terminação do verbo indica-a.

Posto isto, a forma correcta da frase neste contexto é: «Porquê estudá-las se já são conhecidas?» O advérbio «porquê» parece não aceitar formas finitas dos verbos, mas apenas grupos nominais ou o infinitivo, que é uma forma nominal do verbo. Tome-se os seguintes exemplos:

(i) *«Porquê estuda-las se já são conhecidas?»

(ii) *«Porquê falas sobre isso?»

As frases acima estão construídas com o presente do indicativo, o que as torna agramaticais. Mas se colocarmos o verbo no infinitivo, as frases tornam-se gramaticais:

(i) «Porquê estudá-las se já são conhecidas?»

(ii) «Porquê falar sobre isso?»

Sempre ao seu dispor.

Ana Rita B. Guilherme
Áreas Linguísticas: Morfologia; Ortografia/Pontuação Campos Linguísticos: Pronúncia; Acento