As conjunções coordenativas correlativas «nem... nem...» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
As conjunções coordenativas correlativas «nem... nem...»

As gramáticas, pelo menos as que consultei, apresentam a locução «nem... nem» como disjuntiva, explicando simultaneamente que a disjunção é a representação de uma alternativa. Ora em frases do género «nem gosto de queijo nem gosto de marmelada» não há alternativa, mas sim adição. Assim sendo, pode considerar-se, em tais casos, a referida locução como copulativa?

Manuela Cunha Professora Porto, Portugal 8K

Evanildo Bechara, na sua Moderna Gramática Portuguesa, p. 556, considera «nem… nem» uma locução prepositiva aditiva. Diz ainda que, quando esta locução integra um sujeito, o verbo fica, normalmente, no plural, embora possa ocorrer no singular.No entanto, o sentido aditivo que sente na frase que utiliza como exemplo pode ocorrer em alguns exemplos de alternativas quando a conjunção vem repetida: Repare no exemplo de Cunha e Cintra – para quem «nem… nem» é aditiva – retirado da Nova Gramática do Português Contemporâneo, p. 576: «Ora lia, ora fingia ler para impressionar os passageiros.» Bechara, na gramática referida, p. 479, considera que exemplos como o que retirei de Cunha e Cintra não são, efectivamente, casos de coordenação, mas de justaposição de frases. Note-se porém, que o conceito de justaposição associado a frases não é comum na análise gramatical em português europeu.

Edite Prada
Áreas Linguísticas: Morfologia; Sintaxe