A locução «para aí», um marcador conversacional ou fático - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A locução «para aí», um marcador conversacional ou fático

Um aluno está a escrever no quadro. O professor diz-lhe:

«O que está para aí a escrevinhar há tanto tempo?»

Como se deve classificar morfologicamente «para aí» neste contexto?

Maria Albina Castro Professora Porto, Portugal 2K

Do ponto de vista morfológico, à luz do Dicionário Terminológico, não há qualquer possibilidade de classificação do conjunto «para aí». No máximo, classificando individualmente cada uma das palavras, poderíamos dizer que são palavras invariáveis (B.2.2, flexão).

Considerando que as duas palavras se unem para construir sentido, do ponto de vista das classes de palavras, itens lexicais (B.3), diremos que se trata de uma locução.

A locução em apreço é classificada do ponto de vista discursivo, em C.1.1, Comunicação e interação discursivas, como marcador discursivo, mais propriamente como marcador conversacional ou fático (sublinhado meu, abaixo):

«C.1.1 – Marcadores discursivos

Unidades linguísticas invariáveis, com alto grau de gramaticalização, que não desempenham uma função sintáctica no âmbito da frase, nem contribuem para o sentido proposicional do discurso, mas que têm uma função relevante na produção dos actos pragmático-discursivos, estabelecendo conexões entre os enunciados, organizando-os em blocos, indicando o seu sentido argumentativo, introduzindo novos temas, mantendo e orientando o contacto do locutor com o interlocutor. Os marcadores discursivos podem subdividir-se em estruturadores da informação, sobretudo com a função de ordenação (“em primeiro lugar”, “por outro lado”, “por último”, etc.), de conectores (v.), de reformuladores, sobretudo com a função de explicação e de rectificação (“ou seja”, “por outras palavras”, “dizendo melhor”, “ou antes”, etc.), operadores discursivos, sobretudo com a função de reforço argumentativo e de concretização (“de facto”, “na realidade”, “por exemplo”, “mais concretamente”, etc.) e marcadores conversacionais ou fáticos (“ouve”, “olha”, “presta atenção”, “homem”, etc.).»

Nota: As citações mantêm a forma original, razão pela qual a do Dicionário Terminológico (publicado antes da aplicação do novo Acordo Ortográfico) respeita a ortografia de 1945.

Edite Prada
Áreas Linguísticas: Discurso/Texto