A diabetes - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A diabetes

Penso que é mais correcto escrever "a diabetes" do que "os diabetes", mas que são aceitáveis as duas formas.

No caso da segunda, está correcto dizer "os diabetes são uma doença..."?

Vítor Cunha Portugal 7K

O Dicionário Médico de L. Manuila, A. Manuila, P. Lewalle e M. Nicoulin, na sua edição portuguesa, adaptada e revista por João Alves Falcato, regista o substantivo feminino diabetes (francês “diabète”; inglês “diabetes”) e diz o seguinte: «Nome dado a diversas doenças caracterizadas pela emissão de urina anormalmente abundante e acompanhada de uma sensação de sede intensa. Empregado isoladamente, o termo diabetes significa a diabetes açucarada (diabetes mellitus).» Quanto a diabetes açucarada, o mesmo dicionário diz que se trata de «Afecção crónica caracterizada por poliúria com polidipsia e glicosúria persistente e hiperglicemia (...). Deve-se a uma insuficiência de produção de insulina (hormona hipoglicemiante) pelo pâncreas. Na ausência de um tratamento regular, pode complicar-se de acidose grave com coma e de diversas lesões degenerativas graves (acidentes vasculares, cerebrais ou cardíacos, retinopatia, lesões renais, perturbações nervosas). A diabetes juvenil constitui uma forma particularmente grave e obriga a tratamento com insulina (insulinodependente). A diabetes gorda do adulto obeso é mais fácil de tratar (...).» Por sua vez, o Dicionário da Porto Editora diz que se trata de substantivo feminino de dois números. E a Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura (Editorial Verbo) também opta pelo feminino: a diabetes.

Já o Dicionário Eletrônico Houaiss (brasileiro) considera o termo diabetes um «substantivo de dois gêneros e dois números». E observa que diabete é «forma não preferível e menos usada». Sobre a proveniência, este dicionário diz o seguinte: «deve-se a infl. do fr. ‘diabetès’ (1762), ‘diabétès’ (1798) e, enfim, ‘diabète’, o port. diabeta, cuja term., tb. fundada no lat., induziu a mudança de gên. para o fem., que se estendeu à var. diabete (ambas do início do sXIX); em fins do sXIX, na linguagem médica, por infl. erud., começa a prevalecer a f. diabetes do nom. lat., no gên. masc. orig., embora até hoje diabetes tb. ocorra no fem.; a normalização tende a ser com diabetes subst. masc., contra diabete(s) subst. fem.»

Seja como for, o que por enquanto prevalece, pelo menos em Portugal, é o género feminino, atestado na generalidade dos dicionários: a diabetes.

Carlos Marinheiro