A capital da Lituânia: Vilnius e Vilna - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A capital da Lituânia: Vilnius e Vilna

Como grafar em português correctamente a capital da Lituânia? Já vi "Vilnius" e também já vi "Vilna", esta última usada em castelhano.

Estará o termo "Vilna" mais correctamente de acordo com as regras lexicais do português? Tenho um amigo lituano que me colocou esta questão.

João Pimentel Engenheiro Lisboa, Portugal 2K

A forma Vilna tinha o favor dos filólogos, pelo menos, na década de 40 do século passado. Quem consulte o Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves, publicado em 1947, encontrará Vilna (pág. 361) como equivalente português ao que nessa época se considerava «topónimo alienígena», Wilnius. Dizia Rebelo Gonçalves (op. cit., pág. 361, n. 2):

«[Vilna é] [r]egisto do Vocabulário de Bluteau e do da A. C. L. [Academia das Ciências de Lisboa]. Com tal forma se reproduz o nome que em lituano é propriamente Wilnius, embora por influência russa os Lituanos usem Vìlna, e a que correspondem em russo Vil´na, em polaco Wilno, etc. (informação do St. V. Cocco, assitente da Faculdade de Letras de Coimbra).

Damião de Góis, na Crónica de D. Manuel, II, cap. I, usa a variante Vilno. Não obstante, é preferível a forma em -a, que, sendo também abonada por textos (Bluteau cita um exemplo do Martirológio em Português), tem ainda a recomendá-la o neolatinismo Vilna

Actualmente, escreve-se Vilnius em lituano, e tem sido esta a forma mais corrente em português, ao mesmo tempo que Vilna anda esquecida, talvez porque a Lituânia e a sua capital não têm sido presenças constantes nas culturas de língua portuguesa. De qualquer modo, se atentarmos nas palavras de R. Gonçalves, há boas razões para recuperar a forma mais vernácula. Fica feito o repto.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Léxico; Morfologia