Vítor Santos Lindgaard - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Vítor Santos Lindgaard
Vítor Santos Lindgaard
3K

Vítor Santos Lindgaard é tradutor e professor, residente na Dinamarca, autor dos blogues Moçambicanismos e Travessa do Fala-Só.

 

 

 
Textos publicados pelo autor
Há línguas em que é mais fácil brincar com as palavras?
Os trocadilhos do francês

«Venho sugerir que bem pode haver línguas em que é mais fácil que noutras «brincar» com a própria língua: fazer humor e literariedade. E, mais concretamente ainda, sugiro que é provável que em francês seja mais fácil fazer trocadilhos e rimar [pelo menos, no sentido em que entendemos rima hoje em dia na nossa cultura] que nas outras línguas que conheço.»

Apontamento do tradutor Vítor Santos Lindgaard publicado no blogue Travessa do Fala-Só em 16 de junho de 2022, acerca de certos jogos de linguagem da língua francesa.

A letra C e outras histórias de letras: <br> uma  viagem por vários alfabetos
Da Dinamarca à Geórgia, ida e volta

«Nos países onde não se usa o alfabeto latino (BulgáriaGeórgia e Grécia), os nomes das localidades aparecem quase sempre na escrita local e numa forma latinizada: normalmente, adota-se uma transcrição/transliteração "internacional", que eu creio, de facto, se baseia na tradição inglesa (CH para [tch], SH para [ch], KH para /x/, etc.)» – observa* o tradutor Vitor Lindgaard, dando conta da diversidade de alfabetos que encontrou e decifrou numa viagem motorizada de ida e volta entre a Dinamarca e a Geórgia.

texto originalmente publicado em 15 de junho de 2022 no blogue Travessa do Fala-Só.

Dupla negativa
Uma construção típica das línguas latinas

«Em português – e nas outras línguas latinas que conheço, exceto em francês oral, por causa da supressão do advérbio ne na fala – a regra é que, numa frase negativa tem de haver sempre uma negativa antes do verbo.»

Apontamento do tradutor Vítor Santos Lingaard, que critica a moda de evitar a dupla negação do português, fazendo com que a forma correta «não vi nada» se transforme incorretamente em «vi nada». Texto publicado no blogue Travessa do Fala-Só em 7 de abril de 2022.

 

Sobre o termo <i>sprint</i>
À volta dos tempos das provas de corrida do atletismo

«(...) [Há atletas] que correm alguma parte dos 200 m (...) mais depressa que os 100 m, porque o seu tempo nos 200 m é menos que o dobro do seu tempo nos 100 m (...) – observa o tradutor Vitor Lindgaard a propósito das provas de corrida de 100 m e 200 m, no atletismo.

Apontamento que o autor publicou no blogue Travessa do Fala-Só, em 16/01/2021.

Três pequenas notas sobre <i>charro</i>, <i>insumo</i> e <i>sótão</i>
Casos de etimologia caprichosa

Cada palavra tem a sua própria história, entre as particularidades formais e semântico-referenciais das origens e o enquadramento mais ou menos regular na língua de que fazem parte. Em texto publicado em 27 de dezembro de 2019 no blogue Travessa do Fala-Só , o tradutor Vítor Lindegaard  propõe três etimologias: a de charro, talvez um empréstimo proveniente da Índia; a de insumo, outro empréstimo de origem castelhana difundido por via brasileira; e a de sótão, cujo significado em português contraria o de palavras estrangeiras com a mesma etimologia (cognatos) – sótano (castelhano) e sottano (italiano).