Frederico Lourenço - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Frederico Lourenço
Frederico Lourenço
1K

Frederico Lourenço (Lisboa, 1963) doutorado pela Universidade de Lisboa, é especialista em Estudos Clássicos, além de ensaísta, tradutor e escritor. Traduziu a Ilíada e a Odisseia (Prémio D. Diniz da Fundação Casa de Mateus e Grande Prémio de Tradução APT/PEN), bem como a poesia da Grécia antiga, que selecionou para um volume intitulado Poesia Grega de Álcman a Teócrito.  Entre o seus livros de ensaios, contam-se Grécia Revisitada (2009), Estética da Dança Clássica (2014) e Livro Aberto: Leituras da Bíblia (2015). No domínio do relato de ficção ou autobiográfico, é autor de Pode Um Desejo Imenso, Amar não Acaba, À Beira das Estrelas e A Formosa Pintura do Mundo.

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo
Por Frederico Lourenço

Diz-se que é hoje uma língua morta, mas o latim aparece bem vivo nesta nova obra do professor universitário português Frederico Lourenço, que revela como é essencial conhecê-lo para compreender os aspetos estruturais e históricos das atuais línguas românicas, entre as quais se conta o português. Mas esta é também uma gramática realmente nova, como promete o título, porque – o próprio autor faz questão de frisar –, ao longo de cerca de 500 páginas, se vai alcançando o propósito de reunir a informação essencial que a leitura de textos latinos, sobretudo os literariamente elaborados entre os séculos II a.C. e V d.C.

Trata-se de uma obra que abre com quatro secções introdutórias (Preambulum, “Abreviaturas, sinais e convenções”, “Introdução à língua latina” e “Noções básicas de pronúncia”), que dão as noções básicas para contextualização e apreensão da arquitetura da língua latina. Seguem-se três capítulos, os dois primeiros dedicados à descrição da morfologia e sintaxe latinas, conforme funcionavam no padrão clássico configurado pela literatura modelar do tempo de Augusto, sem perder de vista variantes que marcam arcaísmos ou inovações. O terceiro e último capítulo (Varia) aborda tópicos diferenciados sempre norteados pelo mesmo intuito de capacitar para a leitura em latim.

A experiência oferecida pela leitura dos dois primeiros capítulos é, por um lado, de proximidade linguística e, por outro, de estranheza. A afinidade vem do léxico, em que o falante de português reconhece sem dificuldade muitas das palavras que usa; mas o desafio é lançado na descoberta do funcionamento do 

Imagem de destaque do artigo
Frederico Lourenço defende as línguas clássicas a propósito da sua Nova Gramática do Latim

Apesar de alguns sinais de recuperação, é mínima, se não mesmo nula, a oferta de latim e grego no ensino não universitário de Portugal, situação agravada pela escassez e desatualização dos materiais de estudo para o público de língua portuguesa. À volta do lançamento da sua Nova Gramática do Latim (Lisboa, Quetzal, 2019) e do seu percurso académico, o professor universitário, classicista, escritor e tradutor Frederico Lourenço defende o regresso das línguas clássicas aos currículos e dá conta dos projetos de tradução que tem levado a cabo – com especial relevo para o da Bíblia em grego, incluindo os Septuaginta –, em entrevista concedida ao jornal digital Observador  (6/04/2019) e aqui transcrita com a devida vénia.

Na imagem, lápide depositada no Museu Municipal José Monteiro do Fundão, na qual se lê a seguinte inscrição em latim (entre parênteses, o desenvolvimento das abreviaturas): Nepos / Arconis F(ilius) / H(ic) S(itus) E(st) / S(it) T(ibi) T(erra) L(evis) (tradução: ««Nepos, filho de Arcão, está aqui sepultado, que a terra lhe seja leve»; informação disponível em Arqueofundao.hotspot.com e Hispania Epigraphica).

Imagem de destaque do artigo

A propósito da querela do Acordo Ortográfico, apresenta-se um texto que Frederico Lourenço escreveu e divulgou no dia de Carnaval de 2016 (9/02/2016) no mural da sua página do Facebook.