Francisco Seixas da Costa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Francisco Seixas da Costa
Francisco Seixas da Costa
2K

Francisco Seixas da Costa (Vila Real, 1948) é um diplomata português. Dirige o Centro Norte-Sul do Conselho da Europa desde 2013. Entre 1995 e 2001 foi Secretário de Estado dos Assuntos Europeus e, entre 2001 e 2002, foi embaixador representante junto das Nações Unidas. Entre 2005 e 2013, foi embaixador de Portugal no Brasil e em França. A partir de 2012, passou a assumir funções como embaixador representante junto da UNESCO e junto da União Latina.

 
Textos publicados pelo autor
«Não sou de cá, só vim cá ver a bola»
Expressões, bairros e ruas de Lisboa

«Não sou de cá, eu só vim à bola!», «Vê lá se não compras a casa do Dâmaso!», «ir à bola» e outros modos linguísticos alfacinhas, entre  bairros, ruas e ruelas, lojas, jornais, livros, bares e restaurantes de Lisboa, nesta crónica memorialista do autor*, a seguir transcrita na íntegra, com devida vénia.

*in jornal digital Mensagem, com a data de 7 de junho de 2021.

De Acordo?

«Essa brava aldeia de Astérix [do anti-Acordo Ortográfico, em Portugal, findo que foi o período de transição para a sua adoção plena] – escreve o autor na sua coluna de opinião do "Jornal de Notícias" de 15/05/2015 – escava hoje as últimas trincheiras legais, implora a ajuda da preguiça lusófona para a sua derradeira batalha, reza pela heterodoxia de Angola e desconfia do Brasil, essa vil potência do gerúndio e das vogais indecentemente abertas. Quem sabe se ainda os veremos a ter um candidato presidencial – um Octávio com "c" ou um Baptista com um "p" dos que algumas tias velhas ainda cuidam em pronunciar ao chá.»

A brigada do asterisco

Comentário do embaixador português em Paris à suspensão da aplicação do Acordo Ortográfico no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, ordenada pelo seu novo presidente, Vasco Graça Moura. No blogue do autor, duas ou três coisas.

 

 

Desde 1 de janeiro, os serviços públicos [portugueses] estão, no cumprimento da lei, obrigados a utilizar o novo Acordo Ortográfico, em toda a sua documentação.

Artigo do embaixador de Portugal no Brasil, Francisco Seixas da Costa, sobre o falso caso do «primeiro nepotista lusófono», publicado no "Estado de S. Paulo", de 31 de Agosto de 2008

 

Ao ler no editorial do "Estado de S. Paulo", de sábado, 23 de Agosto, que o nepotismo era o produto residual "arraigado" da herança colonial portuguesa, senti reproduzida, pela multi-enésima vez, a referência à expressão em que Pêro Vaz de Caminha pede ao rei, na sua famosa Carta, emprego para um seu parente.