Fernando Bueno - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Fernando Bueno
Fernando Bueno
1K

Fernando Bueno, consulente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.

 
Textos publicados pelo autor

Em consulta de Isabel Santiago, respondida em 19/4/2012, o Prof. Virgílio Catarino Dias afirma que:

«[O] se pode ser sujeito em orações reduzidas» – e, nesse caso, terá de admitir predicativos. Será verdade? Tentemos: «João declarou-se capaz de falar em público.» Representemos graficamente: – «O João declarou [-se capaz de falar em público]»: «o João declarou [que ele mesmo era capaz de falar em público].» Notemos a oração entre...

Quanto aos comentários do Professor José Neves Henriques a respeito das afirmações por mim feitas sobre a propriedade do uso da expressão "anos sessentas", vejo-me na situação de externar as seguintes considerações:
    1- Com efeito, o aposto nem sempre concorda com o termo fundamental, principalmente se se trata de aposto explicativo, como muito bem o demonstrou o prezado Professor. Como no caso em tela se examina um aposto especificativo, que vem ligado diretamente ao termo...

Sobre a resposta dada a uma consulente brasileira, permito-me discordar, apresentando as seguintes razões: A preposição correta, no caso, deve ser «em» (TV em cores), pois é a preposição adequada quando se trata de indicar cor.

Assim, dizemos: TV em preto e branco, foto em branco e preto, voto em branco, Um Estudo em Vermelho (nome de livro). Note que não dizemos "TV a preto e branco". Então, por analogia...

Ler contrapontos: "TV em cores" "TV a cores".

Quanto ao plural do substantivo composto «sem-terra», venho manifestar minha discordância da opinião emitida pelo nobre professor Amílcar Caffé.

A meu ver, um neologismo deve, justamente por ser um neologismo, sujeitar-se mais ainda às regras gramaticais, e não ser incluído de imediato no rol das exceções. Isso torna mais simples o bom uso da língua. A par disso, o acréscimo do "s" é o indicativo natural para a formação do plural na língua portuguesa. Não deixam de soar estranhas (porq...