Eduardo Henrik Aubert - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Eduardo Henrik Aubert
Eduardo Henrik Aubert
47

Doutor em História (2011) e Direito (2019), Mestre em História (2007), Bacharel em História (2003) e Direito (2018), Bacharelando e Doutorando em Letras Clássicas. Desenvolveu pesquisa em estágio pós-doutoral na University of Cambridge, entre 2012 e 2014, e na USP, entre 2015 e 2017. É coordenador do LATHIMM-USP (Laboratório de Teoria e de História das Mídias Medievais). É membro da SBEC - Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos e pesquisador associado ao Centre for the Study of the Cultural Heritage of Medieval Rituals, ao Grupo de Estudos de Línguas Indo-Europeias ANtigas (GELIEA-USP), ao VERVE - Verbum Vertere - Estudos de Poética, Tradução e História da Tradução de Textos Latinos e Gregos (USP) e ao grupo República das Letras - Estudo de Textos Renascentistas em Latim (USP). Professor Visitante na Universidade da Borgonha (2007-2009), na Universidade de Copenhague (outubro e novembro de 2009) e na Universidade de São Paulo (agosto a novembro de 2011). Desenvolve suas pesquisas nas áreas de filologia, paleografia, história, direito e linguística histórica, nos períodos antigo e medieval, com especial atenção para interações disciplinares e problemas de método nas ciências humanas.

 
Textos publicados pelo autor
O género de covid
Afinal é «o covid» ou «a covid»?

«Se diferentes especialistas podem, de forma legítima, questionar qual a forma correta das palavras, o linguista vê aqui um fenômeno muito interessante: por que as pessoas atribuiriam gêneros distintos a esse item lexical? Mera indecisão, fruto de um amplíssimo desconhecimento? Parece-nos que esse juízo depreciativo impede a percepção das lógicas que subjazem à variação», afirmam Eduardo Henrik Aubert e Marcelo Módolo neste artigo sobre o género da nova palavra covid.