Duarte Calvão - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Duarte Calvão
Duarte Calvão
1K

Duarte Calvão é um crítico gastronómico português. Jornalista de formação, trabalhou em vários jornais até ter notoriedade na sua página diária no Diário de Notícias, onde, durante dez anos (1999/2009), deu conselhos e sugestões de Boa Vida. É coordenador do projeto Gastronomia da Associação de Turismo de Lisboa e tem dois livros publicados: Cascais 100 Maneiras e A Cozinha de Joachim Koerper. É director do festival Peixe em Lisboa e membro da revista britânica Restaurant.

 
Textos publicados pelo autor

Com o distanciamento próprio dos verdadeiramente sábios, o Prof. Neves Henriques coloca a questão das aspas do holocausto no seu devido lugar gramatical. Não há nada a acrescentar do ponto de vista linguístico àquilo que ele, com a sua habitual competência, defende.

Júnior, o conhecido e simpático jogador brasileiro de futebol, que durante anos encantou todos com a sua arte, recentemente passou a jogar Futebol de Praia e, obviamente, foi campeão mundial pela selecção do seu país. Numa entrevista à revista brasileira Veja, Júnior explica todas as virtudes da nova modalidade e do interesse que há em expandi-la. Mas fá-lo sob uma designação, no mínimo, curiosa: «beach soccer».
     Ao longo da entrevista, a expressão aparece quatro...

Num Telejornal da portuguesa RTP1, o novo comissário da Expo 98, engenheiro Torres Campos, anunciou que vai ter um «controller»!!! Assim mesmo. Na "ecspô" que já tínhamos (ou será na "ecspó" como mais gostam outros locutores e políticos da praça?...), vamos ter agora um «controller».
     E que será um «controller», perguntaria um humilde falante de Português, pouco versado em economês anglo-saxónico de alto coturno? Será um «controleiro» político, tipo caça-laranjinh...

Nos últimos decénios, os filmes da Walt Disney têm ajudado muito na divulgação universal dessas histórias. Mas tal «universalidade» tem limites.

É o caso do filme produzido sobre Aladino e a Lâmpada Mágica, que recebeu em Portugal (e calculamos que também no Brasil) o título de «Alladin», cuja pronúncia é mais ou menos esta: «aleidine».