Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Carlos Alberto Faraco
Carlos Alberto Faraco
1K

Linguista brasileiro. Professor titular (aposentado) de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Paraná; coordenador da Comissão Nacional do  Brasil  do Instituto Internacional da Língua Portuguesa e do respetivo Conselho Científico para os trabalhos da elaboração do Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, instrumento de importância estratégica para a afirmação do idioma comum dos países da CPLP; autor, entre outras obras, de História Sociopolítica da Língua Portuguesa.

 
Textos publicados pelo autor
Imagem de destaque do artigo
Por Carlos Alberto Faraco

Nos estudos do português ou de outra língua qualquer, há duas perspetivas fundamentais: a interna, que descreve o funcionamento e a evolução das estruturas de palavras, frases e textos; e a externa, que relaciona o devir linguístico com as configurações e as mutações do contexto social, cultural e político. É deste segundo ponto de vista que Carlos Alberto Faraco, professor titular (aposentado) de língua portuguesa da Universidade Federal do Paraná, elabora a História Sociopolítica da Língua Portuguesa e constrói um relato sobre como o português, a partir das suas raízes no ângulo noroeste da Península Ibérica (na Galiza e em terras portucalenses), foi catapultado para os espaços asiático, sul-americano e africano pelo ímpeto expansionista de Portugal, até, finalmente, já em tempos pós-coloniais e globalizadores, se encontrar numa encruzilhada.

A visão de Faraco é, pois, diacrónica, sobretudo focada na língua como insígnia institucional e tendo sempre por horizonte as tensões em que o seu futuro há muito se joga – entre, por um lado, o desejo de unidade, aliado à necessidade de garantir e justificar a posição do idioma entre os mais falados no mundo; e, por outro lado, dando o fracionamento como inevitável, as críticas à retórica e às ações de convergência. Sem escamotear as enormes dificuldades que o projeto unitário há décadas conhece, Carlos Alberto Faraco – coordenador da Comissão Nacional do Brasil no Instituto Internacional da Língua Portuguesa, integrado no grupo de consultores que acompanha os trabal...

Imagem de destaque do artigo

No Brasil, aqueles que querem a eliminação do “h” inicial e do hífen ou a substituição do “ch” pelo “x” entre outras propostas “simplificadoras” da ortografia do português escreve o autor, em artigo dado à estampa no jornal “Gazeta do Povo" do dia 16 de setembro de 2014, se fossem levados a sério, acarretaria «efeitos educacionais e culturais desagregadores».

 

 

Imagem de destaque do artigo

Quem, no Brasil, acha que sim, formou o movimento Simplificando a Ortografia, defendendo uma maior simplificação da grafia do português, tal como ficou definida no Acordo Ortográfico de 1990. Objetivo anunciado pelos defensores de uma mais radical simplificação das atuais regras ortográficas: « (...) barateamen...

Imagem de destaque do artigo

 «Criado em 1989 em 1989 na primeira reunião dos chefes de Estado de todos os países que adotam o português como língua oficial, [o IILP] é hoje o fórum para a gestão compartilhada de todos os aspectos da língua que sejam do interesse conjunto desses países.»

 

O português é uma língua em franca expansão no cenário internacional: vem crescendo o número de seus falantes como primeira e segunda língua e como língua estrangeira.