Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Camilo Castelo Branco
Camilo Castelo Branco
1K

Camilo Castelo Branco (Lisboa, 1825 – S. Miguel de Seide, 1890) é um dos expoentes máximos da Literatura Portuguesa. Órfão de pai e mãe ainda criança, instalou-se no Porto em 1844 para estudar Medicina. Em 1845, estreou-se na poesia e no teatro. Em 1855, tornou-se o principal redator de O Porto e de Carta. Em 1858, foi eleito sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa. Dirigiu a Gazeta Literária do Porto em 1868. Das suas obras, destacam-se: A Queda de um Anjo (1866); Mystérios de Lisboa (1854); Amor de Perdição (1862); A Queda dum Anjo (1865) e A Brasileira de Prazins (1882).

 
Artigos publicados pelo autor

São os sermões do padre António Vieira uns riquíssimos minérios do mais fino ouro pelo que respeita à linguagem. Ninguém reuniu em poucas páginas tantas palavras rubricadas pelos mestres que o precederam. As opulências que Vieira aditou à prosódia constituiriam o idioma português no alto ponto das línguas mais ricas, se já então houvéssemos entrado em comunhão de ciências com a Europa, e tivéssemos adaptado à nossa índole glótica os termos facultativos. O seu modo de adjectivar é irrepreensív...

Obriga-se o cronista a manter invariáveis os seguintes adjectivos, quando vierem usados para os seguintes substantivos:

Prelado será sempre virtuoso; cantora será sempre mimosa; jornalista será sempre consciencioso; jovem escritor será sempre esperançoso; patriota será sempre exímio; negociante será sempre honrado; caluniador será sempre infame. As maneiras de quem dá um baile serão...