Alípio de Freitas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Alípio de Freitas
Alípio de Freitas
1K

Alípio de Freitas (Bragança, 1929Lisboa, 2017) – Alípio Cristiano de Freitas, de seu nome completo – foi padre em Portugal e revolucionário no Brasil durante a ditadura militar, promovendo o movimento camponês. Nos últimos anos dedicou-se ao jornalismo, à promoção e à direção de diversos movimentos sociais e associações cívicas, nomeadamente o Fórum Social Mundial, à Casa do Brasil, em Lisboa, de que foi um dos seu fundadores, assim como da Associação José Afonso (cantautor português que lhe dedicou a canção-bandeira pela sua libertação, como preso político dos mais torturados no Brasil desses tempos de chumbo). Dessa sua violentíssima experiência, publicou o livro Resistir É Preciso em 1981 (Editora Record, Rio de Janeiro), com reedição em Portugal, em 2017 (Âncora Editora). Na homenagem que lhe foi prestada ainda em vida, pelos seus 88 anos, foi publicado em Lisboa o livro Alípio de Freitas – Palavras de Amigos (Edições Pangeia). Mais informações aqui e aqui.

 
Textos publicados pelo autor

O dístico é correto tal qual está na bandeira do Benfica. «E pluribus unum», o que significa um entre (ou dentre) muitos. Como é sabido, a língua usa, quase indiferentemente, a construção dire(c)ta e indire(c)ta da frase, sendo que o vernáculo prefere a indireta. Assim, o dístico benfiquista também poderia ter sido escrito «Unum e(x) pluribus». Mas a musicalidade da língua consagrou-o tal qual está no distintivo encarnado. A confusão pode ter advindo do e. Mas não existe tal, porque o e da preposição ex perde o x antes de palavras começadas por uma consoante. Pode o povo do Benfica continuar com o dístico do seu emblema, que está corre(c)to. Ao menos gramaticalmente...

N. E. (atualização em 24/05/2016) – A expressão é também um lema dos Estados Unidos da América, desde os fins do século XVIII. Segundo o Online Etymology Dicitionary, a expressão não foi criada no latim clássico, embora se assemelhe a uma frase do poema Moretum, atribuído a Virgílio (70 a. C. – 19 a. C.): «color est e pluribus unum» (literalmente, «a cor é (só) uma a partir de muitas»). A atual formulação do lema teria sido criada ou difundida no século XVIII pela Gentleman's Magazine, uma publicação britânica que durou quase 200 anos (de 1731 a 1922); após a independênc...

O termo certo é Igrejas evangélicas, no plural: são igrejas cristãs que têm a sua origem histórica e teológica na Reforma (protestante). Com base doutrinal apenas e só na Bíblia, denominam-se genericamente evangélicos. Os católicos chamam-nos protestantes, por causa do movimento de protesto liderado pelo frade agostinho alemão Martinho Lutero contra a Igreja Católica (1520).

Imagem de destaque do artigo

«(...) O Ciberdúvidas, como todas as coisas simples, aparece hoje como um verdadeiro ovo de Colombo. Claro que um espaço como este teria que existir. Mas nunca ninguém se lembrou disso. Nem a Academia de Ciências de Lisboa, nem a Sociedade de Língua Portuguesa, nem o Instituto Camões, nem o Ministério da Educação ou qualquer outra instituição, pública ou privada, com responsabilidades na divulgação da Língua Portuguesa. (...)»

[Artigo do autor na revista da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, em 31/10/2002, a propósito da celebração do protocolo que permitiu ao Ciberdúvidas as condições logísticas indispensáveis para a sua continuidade, após o súbito falecimento do jornalista João Carreira Bom, graças a quem fora possível a sua existência, desde que fora criado cinco anos antes.]