Traduções ofensivas - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Traduções ofensivas
Traduções ofensivas
Um falso amigo do inglês

« (...) Todas as ocorrências de black, a palavra inglesa para «negro», foram traduzidas por preto. [...] Isto soa horrivelmente aos ouvidos de um português! (...)»

 

A palavra inglesa negro – traduzível literalmente por negro – é, no mundo anglófono, extremamente ofensiva e racista. Black é a palavra neutra ou a palavra não pejorativa. Em português, preto é ofensivo e negro é a palavra que se deve usar. Em termos de ressonâncias culturais, negro e black são, em relação ao português, falsos amigos com conotações perfeitamente inversas. Que um tradutor não saiba isto é grave para ele próprio, é grave para o leitor e é grave para o autor.

Particularmente se o livro em causa é A Estranha Morte da Europa, de Douglas Murray. Trata-se de um best-seller internacional, traduzido para o português em maio deste ano, e cuja tese principal é a de que a combinação entre o movimento massificado de pessoas a entrar no continente europeu e o colapso da identidade europeia, muito à conta de uma culpabilidade autoinfligida e cultivada relativamente ao nosso passado histórico, está a ser fatal para a Europa. Centrando-se na crise migratória de 2015, Douglas Murray faz perguntas muito pertinentes e desenvolve uma reflexão muito rigorosa e bem informada, apoiada em factos da atualidade e da história, em estatísticas e nos testemunhos de imigrantes que recolheu ao longo das suas viagens a Berlim, França, Grécia e em Lampedusa, para fazer este livro.

Comprei e versão original no Kindle e li a entrevista que o autor deu ao Observador aquando do lançamento da tradução em português. Fiquei a saber nessa entrevista que todas as ocorrências de black, a palavra inglesa para «negro», foram traduzidas por preto. Fui comprar o livro em português e confirmei. O resultado é o que ilustram as passagens que vou ler:

«O que tinha sido uma questão de pretos, caribenhos ou norte-americanos, torna-se agora uma questão de muçulmanos ou de islão(…)» (p. 101)

«Lá dentro, embora os sacerdotes sejam brancos mais velhos, o resto da congregação é composta por africanos pretos (…)» (p.110)
«A maior parte das pessoas são pretas e viajam para os subúrbios distantes (…)» (p. 111)

Isto soa horrivelmente aos ouvidos de um português!

Douglas Murray foi informado pelo jornalista do Observador acerca deste atropelo na tradução e ficou muito incomodado, como é de esperar. Imagino o que terá pensado quando lhe disseram, se é que lhe disseram ou se ele foi capaz de reparar, que também lhe alteraram o subtítulo do livro. Onde no original está «Immigration, Identity, Islam» na versão portuguesa está «Imigração, Identidade, Religião».

Fonte

Apontamento de Ana Sousa Martins, coordenadora da Ciberescola da Língua Portuguesa, para a rubrica "Cronicando" do programa Páginas de Português (Antena 2, 30/12/2018).

Sobre a autora

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas – Estudos Portugueses, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e licenciada em Línguas Modernas – Estudos Anglo-Americanos, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as Serras. É ainda autora da coleção Contos com Nível, um conjunto de volumes de contos originais, cada um destinado a um nível de proficiência. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa