Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Porquê counsel e corporate services providers?
Porquê counsel e corporate services providers?

A palavra «counsel» tem tradução na língua portuguesa: advogado/a, consultor/a, assessor/a legal, etc., etc¹. E quanto a «corporate services providers» pode, sem prejuízo semântico, ser substituída por «prestadores de serviços societários» na língua portuguesa.

Custará assim tanto evitarem-se estrangeirismos em textos portugueses – mais ainda quando são de todo dispensáveis? A bem da não-anglofonização e degenerescência da língua portuguesa (snobismo linguístico à parte).

 

¹ No sistema judiciário do Reino Unido,  o counsel é um consultor jurídico que faz patrocínio judiciário na barra dos tribunais ou no gabinete, ou que apenas aconselha. Em Portugal, é o «consultor jurídico independente», bastando a designação de «consultor jurídico» – ou mesmo a de «consultor», por ser implícito que é «jurídico».

 

Sobre o autor

Miguel Faria de Bastos é advogado, luso-angolano; estudioso de Interlinguística (vg, Esperanto e Esperantologia).