Ora bogas com a perca! - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Ora bogas com a perca!
Ora bogas com a perca!

No passado 27 de Outubro, ouvi na Antena 1, na rubrica “Dias do Avesso”, a jornalista Isabel Stilwell comentar com o psicólogo Eduardo Sá a grande “perca” que tinha sido a morte do Professor João Lobo Antunes. O vocábulo perca, usado em linguagem popular, caiu, no contexto, e perdoe-se, mas um plebeísmo requer outro, como ranho na parede!

Primeiro, chocou-me o facto de a senhora dizer “perca”, em vez de perda. É que perca é um peixe! Se se pesquisar no Google a palavra “perca”, o primeiro link é logo «perca no forno»! Depois, aplicado ao homem fantástico e plural, exímio no uso da língua portuguesa, que foi o Professor João Lobo Antunes, a “perca” ganhou dimensões quase ofensivas, ou, pelo menos, de menosprezo.

Por favor, senhora jornalista, perca (verbo – modo imperativo) algum tempo a reflectir no uso da língua portuguesa, sobretudo em programas de rádio, onde se espera, no mínimo, a prática da língua-padrão. Ora bogas

 

Cf.  Textos Relacionado (ao lado) + A perca (crónica de Martha Medeiros, in Português é legal!)

 

 

Texto escrito conforme a norma anterior ao Acordo Ortográfico, por opção da autora.

Sobre a autora

Licenciada pela Universidade Nova de Lisboa em Estudos Portugueses e Ingleses, com pós-graduação em Literaturas e Culturas dos Países Africanos de Expressão Portuguesa. Professora desde 1989, tem ensinado a língua, a literatura e a cultura portuguesas em Portugal, na Guiné-Bissau, como leitora do Instituto Camões (1993-98), na Namíbia (EPE 2006-08) e em Timor-Leste, na Escola Portuguesa de Díli (2008-10). Momentaneamente está de regresso à escola a cujo quadro pertence, em Viana do Alentejo. Tem quatro obras publicadas: Além-Rio, poesia, Prémio de Poesia Raul de Carvalho (1999); Guynea, poesia; Sete Histórias de Gatos, contos, em coautoria com Dora Gago; e Impressões do Real, poesia, prémio de poesia do concelho de Alvito, no âmbito do Prémio de Poesia Raul de Carvalho (2013).