A insistência cabo-verdiana no erróneo “caboverdeano” - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
A insistência cabo-verdiana no erróneo “caboverdeano”
A insistência cabo-verdiana no erróneo “caboverdeano”

A Associação Caboverdeana de Lisboa tem tido um papel determinante na atividade cultural da diáspora em Portugal. O registo escrito do seu nome apresenta o termo caboverdeano, tantas vezes utilizado nos mais diversos textos, inclusive literários. Na Noruega, também se criou a União Caboverdeana e na sétima arte surgiu o filme Caboverdeanamente.

Trata-se de um erro, uma vez que, na língua portuguesa, os gentílicos dos compostos onomásticos devem levar hífen; e, segundo a regra,  a terminação deve ser iano e não “eano”, pois o sufixo -ano [sufixo latino que expressa a naturalidade de alguém] combina-se com a vogal de ligação i, quando a base de derivação da palavra em questão é a vogal final átona e. É o caso de Cabo Verde. Situação semelhante acontece com açoriano [Açores tem um e final também átono], iraquiano ou acriano [natural de Acre], como se prescreve na  Base V, 2º parágrafo, alínea c) do Acordo Ortográfico. Sobre este tema, cf. s.v. -ano in Dicionário Houaiss Eletrônico. 

Há dicionários antigos que registam os dois termos ou mesmo só caboverdeano [é o caso do Dicionário Prático Illustrado Luso Brasileiro, de Jayme de Séguier, Lisboa, edição Empresa do Diccionario Prático Illustrado,1910, p. 166], devido a serem anteriores à reforma ortográfica de 1911. Outra variante sugere o Dicionário Houaiss: o termo cabo-verdense [Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, de Antônio Houaiss, Mauro de Salles Villar e Francisco Manoel de Mello Franco, Edição Objetiva, 1.ª edição, 2009, p. 349].

Se se pretende criar o neologismo “caboverdeanamente”, este deveria ser caboverdianamente. O registo desta forma [caboverdeano] poderia ser alguma tentativa de nacionalismo terminológico, mas a verdade é que a forma registada para a língua portuguesa de Cabo Verde é mesmo cabo-verdiano e como se pode constatar no Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa.

Um tema de resto já tratado, e por diversas vezes no Ciberdúvidas. Por exemplo, aqui ou aqui. Vide, ainda, os Textos Relacionados, ao lado.

 

Cf. Adjetivos pátrios ou gentílicos + Cabo-verdiano + Formação de gentílicos a partir de topônimos + Nomes pátrios e gentílicos

Sobre o autor

Mestre em Teoria da Literatura (2003) e licenciado em Estudos Portugueses (1993). Professor de língua portuguesa, latina, francesa e inglesa em várias escolas oficiais, profissionais e particulares dos ensinos básico, secundário e universitário. Formador de Formadores (1994), organizou e ministrou vários cursos, tanto em regime presencial, como semipresencial (B-learning) e à distância (E-learning). Supervisor de formação e responsável por plataforma contendo 80 cursos profissionais.