A ciência do esférico - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
A ciência do esférico

Está para breve o arranque do Europeu, e os relatos e os comentários sobre futebol vão ter máximo lugar de honra nas rádios e nas televisões. Veremos e ouviremos os jogadores a «recepcionar bem bola» ou a «temporizar bem», em excelente exercício de «triangulação» e trabalho de «entrosamento», em espectaculares «produções ofensivas»...

O relato de futebol cultiva um registo de língua que difere ostensivamente do das restantes peças dos media. Desta maneira, afirma-se como exemplo de um modo de significar específico, onde bola é esférico e campo, quatro linhas. Livre dos constrangimentos impostos à língua de uso comum, recorrendo a neologismos (palavras inventadas) e estrangeirismos, o discurso do futebol aproxima-se do discurso técnico-científico.

Mas note-se que é exactamente o movimento contrário que se procura obter nos demais géneros jornalísticos: a clareza e a simplicidade de expressão, com os termos de especialidade a serem devidamente parafraseados. Por exemplo, o jornal Público chegou a receber na sua redacção investigadores a exercitarem-se na elaboração de artigos que divulguem a ciência, em que é preciso fazer caber a complexidade e o rigor da descrição de fenómenos científicos na linguagem corrente.

Ao aproximar o comentário de futebol a um tecnolecto ou língua de especialidade, fideliza-se os aficionados e dá-se a entender que este desporto é uma actividade muito importante. E é, de facto — a atender aos milhões que mobiliza.

Fonte

Artigo publicado no semanário Sol de 25 de Maio de 2008, na coluna Ver como Se Diz.

Sobre a autora

Mestra e doutora em Linguística Portuguesa, desenvolveu projeto de pós-doutoramento em aquisição de L2 dedicado ao estudo de processos de retextualização para fins de produção de materiais de ensino em PL2 – tais como  A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa – 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.Também é autora de adaptações de obras literárias portuguesas para estrangeiros: Amor de Perdição, PeregrinaçãoA Cidade e as SerrasContos com Nível é o seu último livro. Consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa