A «transversalidade» de Cristina Ferreira - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
A «transversalidade» de Cristina Ferreira
A «transversalidade» de Cristina Ferreira

 

 

O título da entrevista do jornal  "Público"1, «Daniel Oliveira: "A transversalidade da Cristina Ferreira é muito importante para a SIC”»,  convoca a questão da criação lexical em português.

O adjetivo transversal significa, de acordo com o dicionário2, «que cruza, atravessa» ou «cujo sentido é oblíquo em relação a determinado referente». Neste sentido restrito, quando se afirma que  a apresentadora Cristina Ferreira é dotada de «transversalidade», estar-se-ia a destacar a sua capacidade de cruzar, de ser oblíqua, o que, embora a apresentadora tenha atravessado o caminho que separa a TVI da SIC, estará longe da intenção de Daniel Oliveira quando proferiu tal afirmação.

Estamos, então, perante não uma nova palavra, mas uma palavra “velha” com novos sentidos. Trata-se de uma novidade semântica. Este processo gera palavras polissémicas, i.e., com diversas aceções, e permite, partindo do sentido original, dito denotativo, construir outros, de acordo com a necessidade e criatividade dos falantes. Foi o que aconteceu, por exemplo, com o nome papagaio, que, inicialmente, designava uma ave exótica, descoberta pelos portugueses no decurso das suas viagens marítimas, palavra que, mais tarde, veio a designar uma «pessoa que fala muito, tagarela». Os usos ditaram o alargamento dos sentidos da palavra.

Um dos processos de criação de neologismos semânticos é a metáfora. Esta é um «mecanismo semântico através do qual nomeio uma entidade A por meio do nome de uma entidade B, tendo por base a perceção de uma relação de semelhança entre as entidades A e B, isto é, tendo por base uma característica que ambas as entidades possuem e que é vista como semelhante (a forma, a função, a cor, a textura, a relação comportamental que se estabelece com ela, etc.)»3

Assim classificar Cristina Ferreira como transversal implica associar o sentido original da palavra à personalidade da figura sobre quem se afirma ser capaz de se adaptar a todos os públicos, em todas as plataformas.

Assistimos, portanto, ao nascimento de sentidos conotativos que se associam à palavra transversal e que poderíamos reter como «que se adapta a diferentes contextos», «cujas características se  adequam a diferentes situações».

Os usos geram novos sentidos. Os falantes acomodam-se. Resta saber se aqueles permanecerão ou se serão apenas um modismo. O mesmo se aplica a Cristina Ferreira. 

1. Entrevista de Joana Amaral Cardoso "Público", 10 de setembro de 2018.

2Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Lisboa, Círculo de Leitores, 2003. 

3Correia e LemosInovação lexical em português. Cadernos de Língua Portuguesa, Ed. Colibri e APP, 2005, p. 48

Sobre a autora

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.