Linguagem e corrupção - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Linguagem e corrupção
Linguagem e corrupção
Sob o pântano do "legalês" e da excessiva burocracia

« (...) O importante é que tudo o que se faça seja "à defesa", para evitar responsabilização através da ambiguidade permanente. Aí se instalam e vivem os espertalhões que sabem "fazê-la". (...)»

 

 

Um superior domínio da linguagem permite uma superior capacidade de poder perante os outros e a realidade.

A linguagem é uma arma. E como qualquer arma, tanto pode ser usada para o bem como para o mal.

A linguagem é um instrumento não só de transparência, mas também de ocultação. Permite trazer a luz do conhecimento ao desconhecido e criar uma sociedade, pessoas mais esclarecidas. É talvez a base principal da civilização.

Mas é também uma ferramenta brutal para a criação de labirintos pantanosos de ambiguidades e ambivalências, ocultações «acidentais», caminhos sem saída e barreiras à compreensão e entrada de «estranhos».

É mais que sabido que há certas classes ou grupos que falam linguagens próprias e herméticas que impedem o acesso de pessoas ou grupos que não dominem essas linguagens (sou engenheiro informático, sei bem do que falo).

Com efeito a existência de uma "língua própria" é um dos principais fundamentos para a criação de grupos.

Por exemplo, fala-se sempre muito da linguagem dos adolescentes, incompreensível para as gerações mais tardias, que assim não podem aceder a esse mundo muito exclusivo. E essa "dor de corno" dos mais velhos leva-os a classificar a linguagem de grupo hostil (os adolescentes) como «horrível», «primitiva» ou «abrutalhada». É natural que os adolescentes, na sua inocência e procura de uma identidade própria, desenvolvam uma linguagem própria. Estranho seria se tal não acontecesse.

Todavia, preocupam-me bem mais linguagens que, pela sua opacidade e inacessibilidade, são propiciadoras de fenómenos nocivos que vivem melhor nas sombras que à luz do dia, como a fraude e a corrupção.

Há um problema enorme de excessiva falta de clareza no "legalês" que popula o (...)  edifício legal e administrativo [português]. Sobretudo promovida e mantida por advogados, como forma de proteção da sua própria profissão, não se conseguiu levar a cabo projetos como a "tradução" das leis de "legalês" para uma linguagem que o cidadão comum compreenda. Isto é extremamente impeditivo de uma maior qualidade da nossa democracia.

Do espírito do "legalês" é ainda irmão o espírito da excessiva burocratização, que leva a que raramente alguém seja responsável pelo que quer que seja, residindo a responsabilidade antes na "organização", no "sistema", nas "regras" ou mesmo nas "leis". Um falso formalismo (porque não baseado num princípio de utilidade) é a marca da incompetência, negligência e muitas vezes de "rabos presos" em fenómenos de corrupção ou redes de tráfico formal ou informal de influências.

Toda a cultura do Estado está imbuída de um excesso de formalismo que leva a uma maior atenção ao formato do que é escrito e feito que ao respetivo conteúdo ou espírito. Ou seja, o importante é que tudo o que se faça seja "à defesa", para evitar responsabilização através da ambiguidade permanente. Aí se instalam e vivem os espertalhões que sabem "fazê-la".

Veja-se o caso dos empréstimos da Caixa [Geral de Depósitos] a Joe Berardo. É um jogo interessante de ambiguidades, falsas verdades, e um conjunto de pessoas que parece que nunca estiveram envolvidas em nada do que se passou, quanto mais serem responsáveis pelo que quer que seja. Acho adoravelmente ofensivo (para os contribuintes) o debate aceso sobre se «apresentar» uma proposta é «defendê-la» ou não. Semântica ou tentativa de distorção da realidade?

Como qualquer pessoa minimamente conhecedora de fenómenos de fraude e corrupção saberá, o melhor esquema de fraude é aquele em que tudo é feito às claras. Ou melhor, em que tudo é feito à confortável sombra da opacidade do «legalês» e da burocracia, mas à vista de todos.

No fim de tudo, na eventualidade de algo vir a lume, os "envolvidos" nalgum esquema de corrupção podem sempre armar-se em "virgens ofendidas", encolher os ombros e mostrar um belíssimo esgar de indignação. Até porque, provavelmente, nada acontecerá. Tudo ficará confortavelmente diluído no pântano do "legalês" e da ineficácia judicial.

Fonte

Artigo publicado no jornal i de 21 de junho de 2019.

Sobre o autor

Licenciado em Eng.ª Informática pelo Instituto Superior Técnico.