Hífen, sim! - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
Hífen, sim!
Hífen, sim!
Casos em que o hífen é obrigatório

O hífen é um sinal gráfico que liga elementos de uma palavra ou palavras. Também é usado para indicar a translineação, ou seja, para separar palavras em duas partes, no final de uma linha.

O hífen não deve ser confundido com o travessão, que, graficamente, é um sinal mais longo do que o hífen. 

Vejamos, então, algumas situações mais simples em que o uso do hífen é obrigatório:

(i) quando os verbos são acompanhados por pronomes átonos, colocados após o verbo:

                 (1) «deu-nos» / «faltar-me-á» / «apresento-vo-lo.»

 (ii) com palavras compostas, quando os elementos que as compõem mantêm o seu acento e sentido próprio:

                 (2) «decreto-lei» / «norte-americano» / «amor-perfeito»

(iii) com palavras que indiquem espécies botânicas ou zoológicas, cujos elementos estejam ou não ligados por preposição:

                (3) «couve-flor» / «abóbora-menina» / «andorinha-do-mar» / «beija-flor»

(iv) com o advérbio bem, quando usado como prefixo:

                (4) «bem-estar» / «bem-nascido» / «bem-humorado»

 (v) com o advérbio mal, quando usado como prefixo, antes de nomes começados por vogal ou h-

                (5) «mal-humorado» / «mal-educado»

(vi) quando o segundo elemento começa por uma vogal igual à que termina o prefixo:

                (6) «auto-observação» / «anti-intelectual»

 (vii) quando o segundo elemento começa por h-:

                (7) «anti-higiénico»

 (viii) com os prefixos acentuados pré-, pró- e pós-:

                (8) «pré-natal» / «pró-reitor» / «pós-laboral»

Basta conhecer as regras, e a ortografia não sairá lesada. E erros como «*dános», «*benvindo», «*mal estar», «*microondas» ou «*feijão verde» não voltarão a ter lugar nos textos que abundam por aí.

Um bem-haja!

Sobre a autora

Doutorada em Língua Portuguesa (com uma dissertação na área do  estudo do texto argumentativo oral); investigadora do CELGA-ILTEC (grupo de trabalho "Discurso Académico e Práticas Discursivas"); autora de manuais escolares e de gramáticas escolares; formadora de professores; professora do ensino básico e secundário. Consultora permanente do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, destacada para o efeito pelo Ministério da Educação português.